A volta da numeralha favorita: o Digital News Report-2019 (I)

Redes sociais e desinformação no foco

Depois de muito preguiçar, finalmente venci a letargia e me debrucei sobre o Digital News Report de 2019, lançado em junho pelo Reuters Institute. É a oitava edição do levantamento, que dessa vez ouviu, por e-mail ou em pessoa, 75 mil pessoas de 38 países, incluindo o Brasil. Antes de falar daqui, vamos às constatações chaves da pesquisa em nível mundial (com alguns toques sobre o que ocorre aqui) – serei curto e grosso porque, falando francamente, ainda estou um tanto sem saco. Mas vamos lá.

  1. O setor de mídia bem que tem tentado, mas a galera continua pouco a fim de pagar por informação no ambiente digital, seja por assinatura, associação ou doação – a média mundial é de 13% de assinantes, com pico na Noruega e Suécia, com 34% e 27% de pagadores, respectivamente. O Brasil até que não está mal na fita, com 22%, percentual superior, por exemplo, aos EUA (16%), Reino Unido (9%), Portugal (7%) e Argentina (8%).
  2. Como a vida a vida não está fácil pra ninguém em lugar nenhum, o pessoal tem preferido usar seu suado dinheirinho separado para o lazer pagando assinaturas de Spotify, Apple Music ou Netflix do que com notícias, consideradas, no geral, um pé-no-saco. Assim, se tivessem que escolher apenas uma assinatura para fazer, 37% dos respondentes ficariam com vídeo on-line (Netlix, Prime Video, HBO Go…), 15% com app de música e apenas 7% com veículos de notícias on line.
  3. Outra má notícia para os meios tradicionais é que o smartphone está se tornando rapidamente o primeiro meio de contato com as notícias no Reino Unido e nos EUA, tendo inclusive passado a TV no primeiro mercado (28% a 27%) e crescido 6 pontos percentuais (17% para 23%) desde 2016, enquanto a TV caía 3 p.p. (36% para 33%) no mesmo período.
  4. Quando se olha apenas para os meios digitais de acesso às notícias (computador, tablet e smartphone), aí o celular é rei – dois terços dos pesquisados acessaram as novas por ele na semana anterior à pesquisa e 49% o têm como meio preferido para saber o que vai por este mundão de Deus.
  5. Como seria de se esperar, com o crescimento do uso do celular para acessar notícias, as redes sociais foram atrás. Na média de 12 mercados, o Facebook tem 36% deste nicho, mas sofreu um leve decréscimo com as mudanças no algoritmo, ocorridas em fevereiro de 2018. O zap vem crescido seguramente, chegando a 16%, contra 10% do Twitter, que está sendo ameaçado pelo Instagram (9%) – se este passar o passarinho azul, Mister Zuck será o czar das notícias via redes sociais, pois será dono dos três principais pontos de acesso neste mercado.
  6. Se você tem impressão de que mais do que 16% usam o zap como fonte de notícias, está certo/a. No Brasil, esse número é mais do que o triplo – 53% dos 2013 entrevistados no país usaram o aplicativo como fonte de notícias na semana anterior à pesquisa (realizada entre fim de janeiro e começo de fevereiro de 2019), com crescimento de 5 p.p. em relação ao ano anterior. É o maior percentual do mundo, superando Malásia (50%) e África do Sul (49%). O face, porém, está no mesmo patamar, com 54%.
  7. O zap é fundamental para obtenção de notícias em países onde o fornecimento de notícias confiáveis são restritos e as instituições públicas, frágeis, o que inclui os três citados e ainda Argentina, Chile, México, Índia, Turquia e Romênia.
  8. Em termos mundiais, 51% dos usuários do Facebook participam de grupos públicos, mas apenas 14% são sobre notícias ou política. No Brasil, porém, o percentual sobe para 22%.
  1. O percentual que discute política e notícias no zap no Brasil é parecido, 18%, mas nada menos do que 58% participam de grupos com pessoas que não conhecem, contra 12% entre os britânicos por exemplo. Obviamente, isso facilita a difusão de notícias falsas.
  2. Um último ponto (neste primeiro texto) verificado pelo DNR-2019: quem usa os grupos do zap e do Facebook por qualquer motivo confia menos na mídia e tende a postar notícias de sites militantes.

Por enquanto é só. Depois, volto com mais descobertas do DNR-2019. Enquanto isso, se quiser explorar a pesquisa, pode acessá-la aqui .

#VazaJato, episódio 8 (e spin-offs)

Pataxó

A forma criada pelo “showrunner” Glenn Greenwald para a #VazaJato – em que a série principal e os spin-offs acontecem ao mesmo tempo, com personagens se cruzando entre elas – tende a ficar mais confusa do que as idas e vindas no tempo dos personagens de “Dark”. Então, vou tentar organizar a cabeça de forma a continuar a seguir as tramas paralelas – que é apenas uma, mas vista de ângulos diferentes – para não me perder nos próximos capítulos e temporadas. Talvez seja útil para você também. Vamos lá.

1. The Intercept Brasil: O Episódio 8 foi aquele fora de esquadro que os roteiristas usam para quebrar a narrativa pesada. Baseou-se na troca de mensagens que expôs a ingenuidade, burrice e cinismo dos procuradores e procuradoras da Lava-Jato de uma maneira que ficou bem divertida para nós que conhecemos o desenrolar da história – Moro assumindo o Ministério da Justiça, a revelação de que ele já tinha armado tudo pelas costas dos manés do MP, usando-os como escada, a maneira como protege o chefe das investigações sobre as ligações com a milícia e, agora, sobre o tráfico de drogas etc.

Mas, além dessa parte engraçada, o episódio detona também a ideia maluca do hackeamento. Ele claramente indica que há um(a) Garganta Profunda na Lava-Jato, que, por um motivo ou outro, resolveu detonar os colegas, mostrando não só os crimes e irregularidades cometidos pela LJ, mas que eles e elas tinham conhecimento de tudo e acobertaram Moro, o chefe do bando.

Em menos de 24 horas, o episódio já deu frutos – um dos procuradores que fazia parte das conversas admitiu ao Correio Braziliense que são verdadeiras por ter reconhecido aquelas dos quais participou, como já haviam feito repórteres da Folha, no primeiro Episódio 1 do spin-off do jornal. A pessoa que confirmou a veracidade das conversas para o Correio entendeu que a vaca já adentrou o brejo e está preparando para saltar do lombo dela. Outro/as devem fazer o mesmo nos próximos episódios.

O EL PAÍS Brasil também deu sua colaboração ao publicar artigo da lava-jateira Jerusa Viecili, publicado dois ou três dias depois de ela ter exposto os mesmos argumentos num post em um dos grupos da LJ.

2. VEJA: No episódio de estreia, o spin-off da semanal já mostrou ao que veio ao atestar de forma arrasadora o principal crime cometido por Moro e seu mais fiel “acepipe”, Dallagnol, a saber, a dica do primeiro para o segundo da existência, por fora dos autos, de uma suposta testemunha contra Lula, e também como chegar a ela. Veja achou os dois homens, conversou com eles e até obteve de um a confirmação de que foi mesmo procurado por um lava-jateiro escalado para seguir a pista fornecida pelo juiz supostamente imparcial. No dia em que o Congresso, o STF ou Conselho de Magistratura tiverem coragem de processar Moro, essas duas testemunhas serão fundamentais (e não tenha dúvida: esse dia ocorrerá, se não agora, em algum momento do futuro).

3. Folha de S.Paulo: O jornal, no segundo episódio de sua série, impresso sábado, mostrou Dallagnol armando para cima de Jacques Wagner, querendo montar uma busca espalhafatosa a fim de constranger o PT na semana do segundo turno da eleição presidencial. O episódio disparou a primeira reação política concreta contra os abusos cometidos pelos lava-jateiros, no caso dos governadores do Nordeste pedindo investigações sobre a conduta deles. Assim, deputados e senadores ganharam pretexto para, pelo menos, iniciar uma coleta de assinaturas para a instalação de uma CPI. Se conseguirem, a CPI não deve sair, mas bota uma pressão a mais em cima dos procuradores.

Já o episódio de hoje foi meio anticlimático, pelo menos para mim, pois já tinha conhecimento de spoiler. Afinal, desde que o Léo Pinheiro mudou seu depoimento, passando a dizer que o triplex foi uma contrapartida da OAS para Lula, já se sabia que ela fora pressionando além do admissível a fim de contar essa história. O capítulo de hoje do spin-off da Folha foi bom mesmo para dar nomes aos bois e traçar a linha do tempo, ligando os posts do vazamento com o que ocorreu no processo.

A chance dos Marinho, meu!

Golpe é um vício de família

O golpe de Luiz Frias na irmã pode abrir caminho para um antigo sonho dos Marinho: ter um jornal em São Paulo.

Meu raciocínio: como Luizinho quer se ver livre do jornal para que este não atrapalhe suas relações com o governo Bolsonaro, via Banco Central, o qual pode causar muito prejuízo ao PagSeguro, ele e a viúva de Otavinho, que participou da puxada do tapete da Maria Cristina, teriam todo o interesse em vender as suas partes das ações da Folha (ou apenas um pedaço delas) para os Marinho. Estes nem precisariam ficar com a maioria acionária, bastaria apenas serem acionistas relevantes e, com base em um acordo, tocarem o negócio.

Em termos empresariais, seria ótimo para os Marinho, que poriam os dois pés no Estado com o maior mercado publicitário do país, o mesmo em que estão as duas praças mais importantes da Rede Globo, numa sinergia de fazer babar o tal de mercado. Até hoje, eles não fizeram isso por haver um acordo com os Frias e os Mesquita para que não entrassem lá. Com os primeiros caindo fora o negócio – e os Mesquita mal das pernas – não haveria motivo para o acerto ser mantido.

Obviamente, os Bolsonaro odiariam esse movimento, pois fortaleceria em muito uma empresa já poderosa e que eles consideram inimiga. Assim, certamente fariam de um tudo para impedir – e você sabe como eles agem quando entram em guerra.

Parece guerra de famílias mafiosas? É por que é mesmo. E daquelas que pode rolar até sangue (e, em se tratando da familícia, pode não ser apenas metafórico)

A eleição e os limites da checagem de fatos

Não deu nem para saída e a sequência acima, do twitter de uma mais das mais respeitadas checadoras do país (inclusive por mim), se não é um jogar de toalha, é demonstração de impotência diante dos estreitos limites do “fact checking” que ficaram patentes nesta eleição. Já ficou claro que mesmo com iniciativas como a do Facebook – no qual a checadora acima está inserida – e do Projeto Comprova, a checagem de fatos tem ainda um longo caminho a percorrer para ser útil – se realmente isso for possível.

Além do fato de não ter acesso às fontes das “fake news”, que são múltiplas, espalhadas e mutantes, a checagem de dados enfrenta dois obstáculos, um de ordem filosófica, outro oriundo da evolução. Como próprio nome da atividade diz, o trabalho se concentra em verificar se as informações que circulam por aí, principalmente nas redes sociais, são verazes e, em caso positivo, se o são completamente ou não. Dessa forma, a abordagem dá como certo que os seres humanos tomam decisões com base em fatos, de maneira racional. Como sabe qualquer humano que já tenha lidado com outro humano, não há nada de mais falso.

Vamos fazer umas continhas (pensou que tinha escapado, hein?). Como a gente define civilização? Há um consenso de que foi quando o homem aprendeu a plantar e, gradativamente, se fixou nos lugares mais férteis e criou as cidades (cidades, civitas em latim, civilização… Ahn? Ahn?). Há uma enorme disputa para saber qual a cidade mais antiga, que, no momento, vem sendo ganha por Jericó, localizada em Israel, que teria cerca de 10 mil anos. Guarde isso.

Agora, quando surgiu o conceito de que devemos racionalmente olhar a natureza? Outro ponto de discórdia, mas, aqui no Ocidente, costumamos pôr o ponto inicial nos filósofos pré-socráticos, que passaram a procurar explicações racionais para os fenômenos (Tales de Mileto, considerado o primeiro, morreu há uns 2.600 anos). Eles, no entanto, não pretendiam provar algo recorrendo a provas físicas, mas em termos mentais, filosóficos (daí também serem conhecidos como “filósofos naturais ou da Natureza”). Ou seja, não procuravam explicações físicas para os fenômenos, não os checavam. Quando isso passou a ocorrer? Como não podia deixar de ser, há discordância nesse ponto também. De minha parte, voto em Galileo Galilei, o primeiro sujeito a teorizar sobre um fenômeno e depois ir lá checar na realidade se a sua teoria fazia sentido – e não fazendo, mudava a teoria (Ok, Leo da Vinci veio antes, mas era disperso demais para ser considerado cientista, era mesmo inventor). Galileo começou a publicar em fins do Século XVI e se tornou realmente famoso no início do XVII (foi processado pela Igreja em 1610).

Então temos que a civilização começou há uns 10 mil anos e a ciência como a conhecemos hoje, que tem como um pilar a checagem, há uns 500. Assim, a ideia de que fatos devem guiar nossas decisões existe há 0,5% do tempo da vida civilizada. Note que estou restringindo muito o período, pois só estou falando do surgimento das cidades para cá, esquecendo os outros milhares de anos durante os quais o “homo sapiens” habita a terceira pedra a partir do Sol (segundo a última contagem, 300 mil). Esse é o obstáculo evolutivo.

Obviamente, cinco séculos é muito pouco tempo para se mudar crenças arraigadas por 9.500 anos antes (no mínimo). Quer ver? Semana passada, na mesa de aniversário de uma amiga, presenciei uma mulher muito inteligente explicando, com o uso de definições com nomes bacanas, por que inferno astral não existe, sendo uma jabuticaba brasileira. Era uma astróloga. Astrologia…Uma “ciência” que afirma que uma pessoa nascida entre 23 de outubro e 21 de novembro é do signo de Escorpião e, por isso, tem sua personalidade determinada pela influência de uma constelação cuja estrela principal, Antares, está a 619,7 anos-luz da Terra. Prova empírica, passível de checagem? Nenhuma. Mas centenas de milhares (talvez dezenas de milhões) de pessoas em todo o mundo acreditam.

Esse é o limite da checagem de fatos, mais do que ter ou não acesso aos algoritmos de criptografia do What’s up (único modo de combater de verdade as “fake news” em aplicativo de mensagem instantânea é esse, para saber a fonte do boato, o que implicaria acabar com o produto, que tem como um de seus pontos de atração a suposta inviolabilidade das conversas enviadas por seu intermédio). As pessoas acreditam em algo não porque haja fatos a corroborá-los, mas por que têm experiências e preconceitos que a fazem escolher os fatos nos quais acreditar (e receber a aprovação do grupo, como você deve ter lido no link sobre o obstáculo evolutivo). Há assuntos (e mentes) em que os fatos pesam mais do que outros, claro, mas política certamente não é um deles.

Quero dizer que a checagem de dados deve acabar? Nada disso. Não só deve continuar como ser ampliada, passando a checar também empresas, associações de classe e ONGs, por exemplo, além de políticos. O que não pode, a meu ver, é mostrar-se como panaceia para evitar “fake news” e árbitro da verdade. Essa pretensão não passa pelo mais frágil processo de checagem.

A volta das numeralhas: o Digital News Report – 2018

Um monte bem abrangente de dados

Depois de um booom tempo, eis que volto às minhas numeralha com a análise da edição 2018 do Digital News Report do Reuters Institute, divulgado em junho. Antes, porém, um toque para a montoeira de gente que assinou o blog nas últimas semanas: os números são o feijão-com-arroz daqui – às vezes, passo meses analisando um relatório ou um levantamento que eu mesmo tenha feito. Assim, entenderei perfeitamente quem quiser cair fora.
Continua aí? Então, vamos lá.

Houve algum estranhamento quando o Facebook fez saber, por canais oficiais, que a eleição presidencial no Brasil era uma das prioridades da empresa e, não ficando apenas nas palavras, implementou programas visando “proteger” o pleito das chamadas “false news” (é o termo usado pela companhia). A explicação para este interesse todo pode ser inferido do DNR-2018. Nele, observa-se que, embora se mantenha como rede social dominante para propósitos gerais em 12 mercados importantes, com 65% de utilização na semana de realização da pesquisa -entre fins de janeiro e início de fevereiro -, mas sem crescimento, em termos de uso para obtenção apenas de notícias o “face” caiu de 42% para 36%, no mesmo período, em relação a 2016 (no Brasil também houve queda de 5 pontos percentuais, mas ainda está em 52%, 16 pp acima da média dos 12 mercados selecionados: Reino Unido, EUA, Alemanha, França, Espanha, Itália, Irlanda, Dinamarca, Finlândia, Japão, Austrália e Brasil).

Como se vê no gráfico, o zap cresceu na média dos mercados selecionados, assim como o Instagram. Ambos são do grupo de Mark Zuckerberg, mas têm menos penetração, em termos mundiais, e menor capacidade de gerar grana. Assim, apesar da queda do Facebook como fonte de notícias ter sido causada pela própria plataforma ao mudar os parâmetros de seu algoritmo – em meados de julho de 2017 e novamente em janeiro deste ano – a fim de reduzir o alcance das notícias e aumentar os conteúdos gerados pelos usuários, o tombo parece ter surpreendido Zuck, que resolveu tomar providências para elevar a confiança dos usuários no que é lido em sua plataforma líder.

A preocupação dos usuários com as chamadas “fake news” foi um dos pontos que ganharam força nesta edição do DNR: 54%, na média dos 74 mil respondentes dos 37 mercados abrangidos pelo estudo, se mostraram preocupados com a questão. No Brasil, porém, ela atinge o pico extraordinário de 85%, 14 pontos percentuais acima do segundo colocado – Portugal, ora pois -, obviamente devido à aproximação das eleições.

Só que há uma questão muito séria aí: as pessoas não sabem definir bem o que são “fake news”. Elas identificam como falsas não apenas as informações mentirosas ou torcidas, mas também o jornalismo ruim (erros na apuração, títulos que não condizem com as matérias etc) e a tal “publicidade nativa” (aqueles anúncios que parecem matérias jornalísticas). No gráfico abaixo, o “jornalismo ruim” foi o mais facilmente identificado por aqueles que se preocupam com a qualidade das notícias (42% entre 55%).

E é justamente aí que sobra para os “publishers”, as empresas que publicam as notícias: 75% dos respondentes do DNR disseram que a culpa pelas “fake news” ou pelo mau jornalismo são delas, acima até das empesas de tecnologia (71%). Infelizmente, não há uma pesquisa específica por país para esta questão e, assim, não sabemos o que os brasileiros pensam sobre o tema.

Com a desconfiança na mídia tradicional avançando, um espaço significativo se abre para sites e blogs politicamente orientados. O DNR-2018 investigou a questão em 10 países europeus, mais os EUA (mas não o Brasil, também infelizmente), e observou que há atenção sobre eles (muito mais nos EUA, Suécia, República Tcheca e Espanha do que no Reino Unido e na Alemanha), mas seu alcance real é bem menor, conforme os gráficos abaixo, sugerindo que seu alcance tem sido superestimado por parte da mídia tradicional. Esses sites utilizam largamente o Facebook para distribuição de seus conteúdos e por isso devem ser muito prejudicados pelas mudanças realizadas pela plataforma no início deste ano.

Estas observações enfocam apenas uma parte do DNR-2018. O estudo é muito mais vasto (tem 144 páginas) e você pode – deve na verdade – destrinchá-lo, caso se interesse pelo tema mídia digital. O arquivo completo você pode baixar aqui e, se quiser, dar uma olhada no vídeo que descreve as descobertas chaves. Na próxima coluna, falarei especificamente sobre o Brasil.

O grande Marcos de Castro e a Coleguinhas

Mestre de jornalismo e dignidade

A história que prometi contar na página de apresentação do Prêmio Marcos de Castro de Jornalismo na Internet.

Em 1996, Marcos era o responsável por criticar os textos no JB. Ele lia o jornal todo e fazia comentários sobre eles, sempre da maneira gentil e humilde que o caracterizava. Um dos pontos em que sempre batia era sobre o verbo colocar, dizendo que havia um abuso em sua utilização. Colocar segundo ele, era apenas o ato de pôr suavemente algo em algum lugar, pousar. Para outras ações, havia pôr, botar, jogar, atirar etc.

Eis que houve uma tentativa de sequestro do provedor da Santa Casa de Misericórdia da época, cujo nome não me recordo. A matéria foi escrita por um repórter de polícia muito bom, mas com texto… Bem… Vamos dizer… de complicada leitura. Quando recebíamos um escrito desse colega, dávamos uma série de espaços e reescrevíamos a matéria totalmente. Naquele dia, coube a mim fazer o trabalho e segui o “protocolo”. No entanto, na pressa do fechamento, passou um “colocar” na descrição do momento em que os sequestradores jogaram a vítima no porta-malas do carro.

No dia seguinte, Marcos criticou o deslize e tudo teria terminado aí se Manoel Francisco Nascimento Brito não tivesse lido a crítica interna. Irritado por, em sua opinião, a redação não levar a sério o trabalho do mestre, a quem respeitava há muito, reclamou com Marcelo Pontes, editor do JB na época. Ao que me consta foi uma reclamação irritada, mas nada além do que um dono de jornal faz comumente. Pontes, porém, ansioso por agradar, determinou que o redator responsável por deixar passar o verbo incorreto fosse demitido e assim foi feito.

Confesso que não fiquei chocado. Estava há apenas quatro meses naquela minha segunda passagem pelo JB, mas já tinha 14 anos de profissão e, portanto, acostumado com o tipo de chefe que era Pontes e com o arbítrio que perpassava (e, pelo que sei, ainda perpassa) as relações nas redações. Fui demitido, como também de praxe, após o dia de trabalho, e segui para casa, já pensando em como ia arrumar outro emprego. Qual não foi minha surpresa quando, dois dias depois, recebi telefonema de Paulo Motta, o editor do caderno de Cidade, dizendo para eu voltar, pois estava reempregado.

Entendendo nada, voltei no dia seguinte e cai no meio de um impasse. Ao saber que eu fora demitido devido a uma crítica que fizera, Marcos entrou em contato com M.F. e avisou que estava saindo também, dizendo que suas críticas eram para melhorar a qualidade do publicado pelo JB, não para demitir colegas.

Aqui parêntese. Anos antes, fora escalado para ser redator do Globo por Lutero “Cabeça de Lata” Soares, editor de Nacional/Política do Globo, que queria me manter na equipe após a cobertura das eleições de 1986 (muito por instâncias de Luiz Mário Gazzaneo, João Rath e Mário Marona), mas não tinha vaga como repórter. Marcos estava saindo jornal e Lutero resolveu me pôr no lugar dele não se importando (pelo menos não o suficiente para mudar de ideia) de que eu tivesse apenas 26 anos (seria o mais jovem redator do jornal em décadas, soube depois) e tocava português de ouvido, como ainda hoje. “Senta lá ao lado do Marcos e vê se aprende alguma coisa”, determinou. Foram 15 dias de êxtase ao lado daquele monstro sagrado –não deram em muito, como você já deve ter observado – que fizeram com que ele se sentisse meio que responsável por mim. Fecha parênteses.

Pressionado por Marcos, Nascimento Brito ordenou minha reintegração. Pontes, que estava de folga, só soube quando retornou e não gostou. Mandou me demitir de novo (dessa vez por telefone) e, para não ter que resolver o problema com um patrão furioso por ser desobedecido, tirou férias (me disseram que foi para o Japão, mas jamais chequei se era informação correta ou blague dos colegas), esperando que o episódio esfriasse.

Marcos manteve a posição e se demitiu ao saber que eu continuava fora do jornal. Informado, liguei para ele e pedi que não fizesse aquilo – arranjaria outro emprego, até menti dizendo que já estava com outro em vista. Ele resistiu e aí falei que poderia continuar trabalhando, pois, afinal, eu não estava realmente demitido, mas numa espécie de licença. Ele admitiu a lógica de meu argumento (era bom em avaliar argumentos, claro) e voltou ao trabalho. No fim, acabei mesmo demitido, pois Pontes, ao retornar, encontrou Marcos em seu posto, Nascimento Brito mais tranquilo e, argumentando que me trazer de volta seria um ataque direto a sua autoridade, conseguiu manter a demissão. Ao saber, fui ao JB receber as contas e aproveitei para deixar recado para o mestre, dizendo que já tinha conseguido um emprego, que ele não se preocupasse. E, dessa vez, era verdade: começaria na Ediouro dali a dois dias.

No mês que fiquei em casa, sem nada para fazer, sem poder nem procurar emprego, resolvi, para impressionar a namorada da época, criar uma página naquela tal de internet, que fora liberada para acesso público meses antes. Sim, o blog que você está lendo tem origem em Marcos de Castro. Agora entendeu por que o prêmio (mesmo que virtual) de bom jornalismo na internet não poderia ter outro nome que não o do grande jornalista que nos deixou ontem?

Vai na paz, meu mestre. E muito, muito, muito obrigado.

O “conto do JN”

Caiu o bobo na casca do ovo…

Há duas semanas, tinha aqui no blog cerca de 400 assinantes. Na sexta passada, por acidente, dei uma olhada e tomei um susto – eles já passavam de 4.200. Creio que o motivo para este salto triplo carpado para frente com dupla pirueta foi o post dando conta da vitória de Dona Míriam na primeira seletiva do King of the Kings, com a cascata de ter se transformado em boneca de ventríloquo na entrevista do Fascista na Globonews. Promovi o post no perfil da Coleguinhas no Facebook e a foto em que ela era comparada a Chico Xavier deve ter chamado muita atenção. Deu para notar, porém, que a maioria esmagadora dos novos assinantes é de não-jornalistas e é para eles que este post é dirigido, embora os coleguinhas também possam aproveitá-lo, especialmente lá para o fim.

Para quem não é jornalista, pode parecer que os encontros de William Bonner e Renata Vasconcellos com os presidenciáveis foram entrevistas jornalísticas. Só que não: não foram entrevistas e muito menos jornalismo. Meus professores Nilson Lage e João Batista Abreu devem me corrigir se estiver falando bobagem, como naquele tempo, mas na faculdade (ao menos nas boas), ensina-se que, numa entrevista, você faz as perguntas e deixa a pessoa falar, procurando as contradições e os chamados “vazios do discurso” – aquilo que o cara quer esconder em meio às palavras.

Uma vez identificadas essas falhas discursivas, você vai em cima. Pode até interromper se sacar que a pessoa está tentando “roubar” seu tempo, enrolar, mas de forma educada (se der, até com bom humor, mas sem sarcasmo), não só por dever de civilidade, mas como tática: falando com educação, a pessoa sente que foi pega, mas terá dificuldade de reagir agressivamente, pode desequilibrar-se e vacilar ainda mais.

Esse é um tipo de entrevista, a mais agressiva, que eu usava com outros profissionais do discurso como políticos, delegados, advogados, economistas etc. Há outras, mais brandas, mas em todas a ideia é que você se apague durante uma parte do diálogo (é diálogo, sabe? Não monólogo) para que o outro mostre sua verdadeira face por meio do que fala e, principalmente, do que deixa de falar.

O que Bonner & Vasconcellos fizeram assemelhou-se mais um interrogatório de promotores num tribunal de filme americano do que a qualquer entrevista ou tipo de diálogo. Porém, mesmo como interrogatório de filme foi ruim – nestes, o promotor faz as perguntas e deixa a testemunha falar para que ela se enrole e ele caia em cima (sim, parece com a entrevista agressiva que descrevi acima). Ao impedir os presidenciáveis de falar (pelo menos os que não são amigos da casa, como Alckmin e Marina, pouco interrompidos), os apresentadores do JN mostraram que não estavam ali para ajudar os telespectadores/eleitores a conhecerem melhor os programas e as ideias dos presidenciáveis.

Mas para que então as tais “entrevistas”? A tabela abaixo (que abrange apenas os mercados da Grande São Paulo e do Grande Rio), retirada do site do Kantar Ibope Mídia é uma pista:

Como se pode observar a audiência do JN já não é mais aquela de uns 20 anos atrás, nem mesmo de 10 anos. O percentual médio de domicílios que assistem ao telejornal é de 27,5%, com pico no mercado do DF, com 32%, e vale no da vizinha Grande Goiânia, com 19,9%. Já o percentual médio de indivíduos que vê efetivamente o programa é de 12,8% – isso quer dizer que para se ter certeza de que pelo menos uma pessoa assiste o JN é preciso contar oito domicílios dentre aqueles que o estejam assistindo. No entanto, a Covariância Individual (COV individual) – ou seja, o número de pessoas que é impactado pelo programa, mesmo não o tendo visto diretamente (por meios de comentários em redes sociais, na copa do trabalho, na carona, com o vizinho….) é de 47,1%. Ou seja, aquela pessoa que efetivamente assistiu ao telejornal tende a comentar com outras 3,68 o que viu. É claro que, se o que for visto for um bate-boca entre Bonner&Vasconcellos e presidenciável, esse índice será certamente maior.

É isso mesmo que você entendeu, meu caro/minha cara: a “entrevista” do JN não foi para esclarecê-lo/la a fim de que você vote melhor, com mais consciência, mas apenas para “causar” e alavancar a influência do JN, aumentando assim sua capacidade de atrair anunciantes. E você que foi para a sua rede social favorita comentar o bate-boca em tempo real (a chamada “segunda tela”)…Bem, você caiu no conto.