#aGlobodeveserdestruida

Com ele, não tinha mas-mas-mas

Com ele, não tinha mas-mas-mas

Em minhas pesquisas, creio que descobri o inventor do conceito de hashtag — Marcus Porcius Cato, que passou à história como Catão, o Velho (234–149 a.C). Ele avaliava que Roma jamais teria paz e poderia progredir em seu comércio no Mediterrâneo se Cartago continuasse a existir. Não importava que os romanos já tivessem derrotado os cartagineses em duas guerras. Os caras eram teimosos e, nas duas vezes, reconstruíram as defesas e voltaram a atazanar os latinos no mar interior (inclusive com seus corsários) em poucos anos.

Assim, Catão passou a encerrar todos os seus discursos no Senado, fosse sobre que assunto fosse — finanças públicas, estado da limpeza das ruas de Roma, agricultura (sua especialidade), qualquer coisa — com uma frase: “Ceterum autem censeo Carthaginem delendam esse” (“Considero ainda que Cartago deve ser destruída”). Para poupar tempo (e em nome do estilo), reduziu-a àquela que ficou realmente famosa: “Delenda est Carthago” (“Cartago deve ser destruída”).

Da mesma forma que Catão não acreditava que Roma teria paz sem destruir Cartago, considero que o Brasil jamais se tornará realmente uma democracia enquanto a Rede Globo existir. Daí criei esta página fixa na Coleguinhas para não precisar pôr a hashtag do título em cada postagem, como faço em outros locais.