Numeralha: Pesquisa Brasileira de Mídia 2016 – II (Televisão)

20180325_Jornal Nacional

Como a Pesquisa Brasileira de Mídia (PBM) de 2016, realizada pela Secretaria de Comunicação da Presidência da República (Secom-PR), mudou sua metodologia, também modificarei a sua apresentação aqui. Ela será apresentada um meio por vez, reunindo sob esse guarda-chuva os dados que foram separados no ano passado. Assim, o primeiro meio a ser enfocado é aquele de maior audiência, a TV. Como a Pesquisa Brasileira de Mídia (PBM) de 2016 mudou sua metodologia, também modificarei a sua apresentação aqui. Ela será apresentada um meio por vez, reunindo sob esse guarda-chuva os dados que foram separados no ano passado. Assim, o primeiro meio a ser enfocado é aquele de maior audiência, a TV.

Como vimos semana passada, a TV é o meio pelo qual aos brasileiros, em sua esmagadora maioria recebe informação – 63% tem o meio como fonte primária e mais 26% como fonte secundária. E quais as emissoras mais vistas? Não há surpresa, claro, como você pode ver abaixo:

20180325_gráfico_TV_audiência-por-emissora

No entanto, segundo o levantamento do Kantar Ibope Mídia – o braço de pesquisa de audiência do Ibope, cujo braço de inteligência foi o responsável pela PBM-2016 -, o Jornal Nacional apresenta uma média de 31,4% de audiência domiciliar, não passando de 14% na audiência individual, na média dos 15 maiores mercados do país. A grande força do JN, porém, é que o seu alcance acumulado – ou seja as pessoas que foram impactadas, mesmo que não diretamente (como ouvindo comentário de alguém que assistiu ao programa) – que atinge 48,9%, na média dos 15 mercados.

Voltando ao meio como um todo, o tempo de exposição das pessoas à TV, segundo a PBM-2016, são os seguintes:
a. Por número de dias da semana.

20180325_tabela_TV_numero-de-dias-por-semana

b. Por número de horas por dia.

20180325_tabela_TV_numero-de-horas-por-dia

 

Já no que se refere á confiança nas notícias veiculadas pelo meio, o resultado obtido pela PBM-2016 foi este:

20180325_tabela_TV_confiança

ANÁLISE
Que a TV é o meio pelo qual os brasileiros se informam não é novidade alguma. O mais interessante, ao meu ver, é que a informação propriamente jornalística direta não é tão relevante como se poderia esperar. Aparecer no JN não é mais garantia de que o coração e a mente do público serão atingidos. Há um “contágio” muito grande – cerca de 20 pontos percentuais -, mas, ainda assim, com efeito em apenas metade de uma população que admite informar-se em sua enorme maioria (quase 90%) pelo meio (de passagem, esse dado mostra que a população tem uma visão ampla do que seja informação). Esse dado é ainda mais significativo quando se observa que os brasileiros veem TV todos os dias da semana (77%), entre uma e quatro horas por dia (57%).

No que se refere à confiança, a maioria dos brasileiros confia no que vê na TV, mas uma maioria pouco confortável de 54% contra 46% não confiam. Cortes por idade, região e renda, como foi feito em 2014 e 2015, mas não este ano, é essencial.

Dos dados, pode-se inferir que, se a função informativa/formativa da TV no Brasil perdeu pouco de sua penetração em relação a décadas anteriores, o telejornalismo em si já viu melhores dias.

Digital News Report – 2017 (III): Brasil

A última coluna da série sobre o Digital News Report-2017 enfoca a análise do Brasil, de autoria do jornalista Rodrigo Carro. Ela mostra que as redes sociais perderam participação no que se refere ao seu uso como canal de consumo de notícias, mas, ainda assim, o consumo on line de notícias supera a TV. Constatação: dessa disputa para saber qual o meio pelo qual os brasileiros mais acessam notícias, jornais e revistas estão definitivamente alijados.

20171210_DNR_2017_Brasil_consumo-de-midia-comparação

O motivo para que, mesmo com a redução da participação das redes sociais no acesso às notícias (já mencionada em outra coluna que abordou o DNR-2017), os brasileiros continuem a saber delas mais pela internet do que por meio da TV – que está em 97% dos domicílios do país, contra 63% da internet – é que o número de casas com pelo menos uma pessoa com celular chegou a 92,1% e este aparelho passou a ser o mais usado para saber do que vai pelo mundo.

20171210_DNR_2017_Brasil_consumo-de-mídia-on-line

Paralelamente, o what’s up tornou-se muito importante na vida das pessoas, incluindo aí no ato de consumir notícias, principalmente depois que as operadoras – atropelando o Marco Civil da Internet – passaram a usar o “zero rating”, ou seja a franquia total de dados, para o mensageiro. Dessa forma, o consumo de notícias por meio do zap cresceu 7 pontos percentuais em um ano, contra queda de 12 p.p. do Facebook.

20171210_DNR_2017_Brasil_midia-social-e-mensageiros

Agora a boa notícia para os meios tradicionais: os brasileiros ainda confiam neles. Nada menos do que 60% acreditam nas notícias que leem, ouvem ou veem, percentual igual ao dos que acreditam nos veículos pelos quais acessam as novas.

20171210_DNR_2017_Brasil_confiança

Por fim, o DNR-2017 confirmou a característica maior do ecossistema midiático no Brasil: a concentração nas mãos do Grupo Globo. O gráfico mostra que o grupo dos Marinho lidera com folga entre os meios tradicionais, com a TV (aberta mais paga) e fica com o segundo e o terceiro lugares nos on line.

20171210_DNR_2017_Brasil_marcas

CONCLUSÕES
A maior novidade do DNR-2017 em relação ao 2016 a liderança do celular como meio on line de acesso às notícias, superando o desktop/notebook. Estre fato manteve o modo on line na liderança sobre a TV,  mesmo com a queda do acesso via redes sociais. De resto, nenhuma novidade n o que se refere à credulidade dos brasileiros em se tratando de mídia e no domínio acachapante do Grupo Globo no setor. E também uma constatação que explica a fonte imensa do poder dos Marinho: as pessoas acreditam nas notícias que leem, veem ou ouvem dos veículos que acessam normalmente.

O investimento em publicidade da Petrobras de 2011 a 2016 – II (TV)

Depois de termos uma ideia geral de como foram os investimentos da Petrobras em publicidade no período 2011/2016, vamos cair dentro dos por meio, no mesmo período. Começaremos por aquele que mais curiosidade causa provoca no distinto público (ou seja, em você) por ser aquele mais conspícuo em nossas vidas (na minha nem tanto mais, já que vejo pouco) – a TV.Depois de termos uma ideia geral de como foram os investimentos da Petrobras em publicidade no período 2011/2016, vamos cair dentro dos por meio, no mesmo período. Começaremos por aquele que mais curiosidade causa provoca no distinto público (ou seja, em você) por ser aquele mais conspícuo em nossas vidas (na minha nem tanto mais, já que vejo pouco) – a TV.

Porém, antes de iniciar, vamos, como sempre, às indefectíveis notas metodológicas, fundamentais para o bom entendimento e contextualização da numeralha:

1. Há uma cisão temporal. Até 2013 (inclusive), os dados se referem a valores autorizados – empenhados, em burocratês -, não necessariamente realizados. De 2014 para cá, porém, são os valores efetivamente executados.

2. À primeira vista, manter os dois tipos de dados juntos não seria correto. No entanto, a junção não muda a tendência, no caso das TVs, como se verá, já que o fato de os valores terem sido previstos  já mostra a orientação estratégica, a intenção de se investir neste meio e em determinadas empresas.

3. Como não pedi a relação previsto/realizado no período, não há como se ter uma ideia do percentual médio de execução orçamentária. Ano que vem, solicitarei essa relação.

4. Foquei a análise no G4, grupo das quatro maiores redes de TV – Globo, Record, Band e SBT – por elas concentrarem, em todos os anos do período, mais de 80% dos valores investidos pela Petrobras no meio.

5. As conclusões não têm o objetivo de esgotar o assunto. Ao contrário, gostaria muito de que outros se debruçassem sobre os dados a fim de extrair deles outras visões. Creio que os que trabalham na Academia poderiam fazer este trabalho com grande proveito para todos.

6. As conclusões políticas – de existirem – ficam por sua conta e risco, certo?

 

Agora, vamos lá.

 

Relação entre o G4 e o total de investimentos, por ano

1. Como acabei de escrever, nos seis anos do período as quatro redes com maior audiência concentraram mais de 80% da verba publicitária que a Petrobras destinou ao meio: 2011 (83,45%), 2012 (89,36%), 2013 (85,19%), 2014 (88,42%), 2015 (87,33%) e 2016 (82,25%).

2. Não há como afirmar, já que não sabemos a relação entre a verba empenhada e a efetivamente desembolsada em 2013, mas é bem provável que 2014 tenha sido o ano em que mais dinheiro a Petrobras tenha investido em TV, devido, claro, à Copa do Mundo.

3. Assim, o baque da queda de investimento no meio, ocorrido nos dois anos seguintes, deve ter levado a muito choro e ranger de dentes nas TVs. A redução de verba foi entre 2014 e 2016 foi de 51,98%. Em termos absolutos, de R$ 109.179.682,00.

4. Pode ser ocioso lembrar, mas vou fazê-lo assim mesmo: em 2014, estourou a Operação Lava-Jato, cujo maior alvo foi a Petrobras.

 

Total de investimentos pelas quatro principais redes de TV no período 2011/2016

Para surpresa de ninguém, a Rede Globo foi a que mais recebeu verbas publicitárias da Petrobras no período, com 52% do total. Mais interessante é observar que Band e Record tiveram percentuais parecidos, embora a segunda tenha sistematicamente uma audiência significativamente maior que a primeira. O esperado seria que o SBT estivesse no lugar da Band, já que disputa com a TV da Rede Universal o segundo lugar em audiência (dois exemplos, aqui e aqui).

Verba publicitária pelas 4 maiores redes de TV e por ano

1. A Band surpreende também por ter sido a rede que sofreu a menor variação no recebimento das verbas publicitárias da Petrobras, mesmo considerando os subperíodos 2011/2013 (investimento previsto) ou 2014/2016 (investimento executado).a. No primeiro caso, o crescimento foi de 34,75%, enquanto a Globo cresceu 14,90%, o SBT subiu 70,30%, e a Record recuou 31,68%.b. No período seguinte, a Band caiu 35,18%, enquanto a Globo decresceu 67,94%, o SBT, 47,10%, e a Record caiu outros 21,49%.c. A maior estabilidade da Band pode ser vista no gráfico, onde a linha que representa a rede apresenta uma linha de tendência mais suave na subida e na descida, enquanto as outras mostram uma oscilação bem maior.

2. Apesar de, no total do período, a Rede Globo ter recebido 52% do total das verbas publicitárias destinadas pela Petrobras às quatro maiores redes, em 2015 e 2016, esse percentual este abaixo dos 50%:  48,72%, em 2015, e 44,08%, no ano passado.

3. A Record, em 2015, e a Band, em 2016, foram a maiores beneficiadas com a queda da Globo. A primeira teve 28, 22% de participação, em 2015 – caindo para 15,82%, no ano seguinte -, e a segunda, 17,07%, e 25,83%, respectivamente.

4. A Globo também foi a que maior queda, em reais, sofreu comparando 2014 com 2016: R$ 77.456.539,50.

Investimentos em publicidade da Administração Direta do Governo Federal (2011-2016) – V (Rádio). Com Eduardo Cunha, com tudo.

Então chegamos ao rádio, a última mídia do nosso estudo sobre os investimentos em publicidade da Administração Direta do Governo Federal, no período 2011-2016. Na garimpagem dos dados na Secom, encontrei um troço interessante nas rádios: o investimento do GF nas rádios da Fundação Sara Nossa Terra, que até 2015 abrigava ao notório ex-deputado Eduardo Cunha. O montante não é expressivo, em relação às outras emissoras, mas, como me pareceu interessante, fiz uma observação na análise.

Então, vamos lá?

 

Análise

1. A emissora que teve o maior crescimento em termos de investimento de publicidade na  AD do GF no período foi a Bandeirante (incluindo aí todas a rede), com uma elevação de 143,88% entre 2011-2016, sendo que, entre 2015 e 2016, a elevação atingiu 128,50%.

2. O dado acima é ainda mais expressivo  se observamos que todas as outras emissoras – e redes de emissoras –  tiveram decréscimo no mesmo período (houve uma exceção, da qual falarei abaixo).  Neste caso, os exemplos maiores foram da Eldorado, de São Paulo ( – 43,92%) e Globo (-42,43%).

3. Como o montante total manteve-se praticamente estável (- 0,43%), segue-se que houve uma real transferência de investimento da publicidade da AD do GF, no que se refere ao  meio rádio, em favor da Rede Bandeirantes.

4. O gráfico demonstra que 2013 foi o ano fora da curva, ficando 37,07% abaixo da média dos outros anos do período (R$ 1.575.903,70 contra R$  2.504.074,67).  Neste ano, houve também uma queda de investimento – mais expressiva até – no meio jornal (-62,16%).

5. A exceção que citei no item 2 foi a rede de emissoras da igreja neopentecostal Sara Nossa Terra. Fundada e liderada pelo pastor Robson Rodovalho, a Sara Nossa Terra tinha como principal expoente o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que a trocou, em 2015, pela Assembleia de Deus de Madureira. A defecção, porém, não abalou o recebimento de verbas de publicidade do AD do Governo Federal – antes pelo contrário – , como se pode ver no gráfico.

O expressivo aumento em 2016 pode ser atribuído à entrada no ar da retransmissora da rede no Rio de Janeiro (base eleitoral de Cunha), no último trimestre de 2015. A lista das emissoras da Sara Nossa Terra é esta: Aracajú (97,1 FM), Brasília (99,7 FM), Curitiba (107,5 FM), Goiânia (93,9 FM), Florianópolis (89,1 FM),Porto Alegre (95,5 FM), Angra dos Reis (105,9 FM), São Paulo (101,3 FM) e  Rio de Janeiro (106,1 FM).

Duas fórmulas para a volta do Cariocão

Se Deus ajudar e o Botafogo superar a sua pulsão de derrota, termina hoje, com uma final de turno disputada num rala-coco do interior, o mais ridículo campeonato estadual da história do Rio. Como vem ocorrendo, intermitentemente, nos últimos meses, os coleguinhas – depois de cumprir a praxe de enaltecer a es-pe-ta-cu-lar conquista alvinegra – deverão fazer matérias mostrando as lamentáveis médias de público do torneio e atacando a fórmula com 16 clubes.

É um número excessivo, sem dúvida, mas, mesmo com ele, é possível realizar-se um estadual decente e competitivo, desde que a TV Globo, que é quem manda no futebol brasileiro, dê uma pequena cota de sacrifício, na forma de abrir mão de algumas datas. As duas fórmulas que exponho abaixo são uma base para discussão, permitindo variações e, claro, outras, diversas. O importante é que os coleguinhas larguem do vício de só criticar e passem a discutir alternativas viáveis.

As fórmulas, então, são as seguintes:

A) Seria dividida em três fases:

1ª fase – Disputada por 12 pequenos. Seriam disputados seis jogos, ida e volta, definidos por sorteio. Os seis vencedores dos confrontos se juntariam aos grandes na segunda fase. Os seis perdedores disputariam um campeonato de dois turnos, ida e volta, com o último (ou os dois últimos) descendo pra Segundona e o vencedor ganhando o direito de disputar um campeonato nacional (a Quarta Divisão ou a Copa do Brasil).
2ª fase – A ser disputada pelos quatro grandes e mais os seis vencedores dos jogos da primeira fase. Os dois clubes seriam divididos em dois grupos de cinco, com cada grupo valendo uma taça (o A, a Guanabara, e o B, a Rio, ou vice-versa). Os dois primeiros de cada grupo passariam à terceira fase.
3ª fase – Aqui, há duas possibilidades. A primeira é o quadrangular em turno único; a segunda, dois turnos, ida e volta, com o vencedor levando o título.

Nessa fórmula, seriam necessárias 10 ou 13 datas – duas para primeira fase; cinco para a segunda; três ou seis para a terceira, dependendo se haveria turno único ou dois turnos.

B) A segunda é dividida em apenas duas fases. A primeira é igual à da outra, mas, na segunda, os 10 times disputariam o título em turno único (acabariam a Taça Guanabara e a Taça Rio). Nesse sistema, o número total de datas seria de 11 (duas para a primeira fase e nove para a segunda).

Os dois grandes atrativos das duas fórmulas é que o campeonato fica mais concentrado, com menos datas e com todos os jogos sendo decisivos, desde a primeira fase. Creio que esse fato melhoraria em muito a presença de público, principalmente para os grandes, especialmente na terceira fase (desde que eles se classificassem, obviamente). O problema mais grave, que não consegui resolver é que, se houver decisão por dois turnos na terceira fase (no caso da fórmula 1), os desclassificados na segunda fase ficariam um bom tempo sem jogar. No entanto, creio que os benefícios de qualquer uma das duas fórmulas superam em muito esse problema.