Em email interno, editor do Globo elogia cobertura “capa de bandido”

O texto abaixo foi escrito por Alto Conselheiro que pôs a mão em um email interno do Globo, assinado pelo Pedro Dória, editor executivo do Globo. Nele, o editor tece loas ao material sobre as manifestações da edição de 17 de outubro, cuja primeira página segue abaixo, em tamanho maior do que no último post, para melhor visualização.

A capa

Apesar de publicar o nome do Dória – algo que só faço em condições especiais e a desse caso específico está explicada lá no fim do post – gostaria de deixar claro um ponto que considero fundamental para aqueles que não costumam acessar o blog, a imensa maioria das cerca de 50 mil pessoas que vieram à Coleguinhas nos últimos dias:

  • A Coleguinhas não fulaniza críticas. Elas são feitas às ideias e não às pessoas. Mesmo quando os nomes são citados – e isso só ocorre com os colunistas ou outros jornalistas que, por um motivo ou outro, são mais midiáticos, como no caso -, a crítica não é pessoal.

Como consequência desse credo, e diante do fato de que a polarização política está muito grande e nem todos se lembram de seguir o preceito acima – ou mesmo não concordam muito com ele (como poderá ser literalmente visto lá na dica do fim do post) -,  peço que as críticas que porventura existirem às ideias do Dória sejam feitas a elas e não à pessoa do colega. É sempre bom lembrar que ele, como a boa parte de nós no momento e quase todos no futuro, têm compromissos como supermercado no fim do mês, escola das crianças, pensão alimentícia etc.

Isto posto , à matéria do Alto Conselheiro.

===================================================

Mesmo após avalanche de críticas, editor de ‘O Globo’ classifica cobertura como ‘bom trabalho’ e ‘excelente material’

Em meio a uma avalanche de críticas à capa do jornal “O Globo” do último dia 17 de outubro (foto), que condenou previamente dezenas de manifestantes soltos pouco tempo depois pela absoluta falta de provas, Pedro Dória, editor executivo do jornal carioca, classificou, por meio de uma resenha interna, o material da cobertura como “excelente”. A mensagem faz referência ao material como um todo, e não apenas à capa.

Diz um trecho da resenha, enviada aos jornalistas da empresa diariamente: “Excelente material sobre os Black Blocs. Explicamos a operação, revelamos personagens. (…) Tem sido uma cobertura com vários momentos de tensão na qual atenção é fundamental. Bom trabalho, pessoal. Mesmo.” O e-mail faz um apanhado dos principais pontos positivos e negativos da edição, além de nomear os responsáveis pela cobertura e sugerir focos melhores.

A chamada na capa – “Crime e castigo: Lei mais dura leva 70 vândalos para presídios” – gerou uma série de protestos nas redes sociais. As acusações contra os manifestantes foram classificadas pelo presidente da Comissão Nacional de Direitos Humanos da OAB, Wadih Damous, como “aberrações”. Damous disse que a forma como estavam ocorrendo as prisões “eram comuns na ditadura militar e são inaceitáveis numa democracia”. (leia na íntegra em http://glo.bo/1gwbbeo)

Até o fechamento desta matéria, quase todos os denominados “vândalos” já haviam sido soltos tanto pela falta de provas quanto pelos vícios processuais. De acordo com advogados que assistiram os manifestantes, o número de pessoas detidas “passou de 200 e não havia motivos de ordem técnica para os detidos serem levados para delegacias de outras regiões, se tratando de um expediente para dificultar a defesa jurídica dos acusados”. (leia a nota assinada por diversas organizações em http://bit.ly/1gwcry9)

Além da reação oficial de diversas entidades da sociedade civil, as redes sociais foram inundadas por mensagens criticando a abordagem do jornal da Família Marinho. Apenas cinco dias depois, uma página denominada “Muito além do papel de um leitor” – alusão ao slogan do jornal “Muito além do papel de um jornal” –, e que incentiva o cancelamento da assinatura do diário, já possuía mais quase 7 mil seguidores. Uma das mensagens da página explica o passo-a-passo do cancelamento e já havia sido compartilhada mais de 900 vezes. (acesse em http://on.fb.me/1gwaDW0)

A reação do ilustre membro do aquário não parece representar, no entanto, a visão da maioria dos jornalistas que trabalham no próprio jornal, segundo informou o experiente jornalista do blog “Coleguinhas”, que escreveu sobre o mal-estar instalado imediatamente após a publicação da edição.

“No meio da tarde daquele dia, o e-mail interno geral do Globo começou a receber centenas de e-mails revoltados com a capa “retrato de bandido” acima (sim, sei qual é o endereço). A imensa maioria – talvez uns 80% – era composta de um texto padrão, educado, que dizia algo como ser inaceitável O Globo fazer uma capa daquela, e 20% eram textos próprios, muitos com impropérios (…)”, escreveu Ivson Alves. (http://bit.ly/1gwb2YH)

Segundo as informações do blog e de fontes ouvidas pela redação, os emails internos de protesto foram bloqueados pela área de tecnologia da empresa, o que gerou ainda mais revolta.

A insatisfação diante da manipulação grosseira parece ter surtido efeito, pelo menos entre os leitores, informou Alves: “No mesmo dia, o cancelamento diário de assinaturas, que normalmente já não é desprezível (em torno de 10), subiu algo entre 10 e 20 vezes, segundo as fontes. A torrente de e-mails continuou até mais ou menos as 9h30min de sexta, quando o sempre competente setor de tecnologia do Globo conseguiu uma forma de bloqueá-la.”

Uma colaboradora ouvida por mim lembra outro aspecto da capa, que interessa aos três jovens expostos indevidamente, bem como os demais expostos na imprensa:

“Calúnia, conforme artigo 138 do Código Penal, é a imputação falsa de crime a alguém. Atinge a honra de pessoa física. Tem de haver a vontade de causar ofensa (ou seja, dolo e não culpa). O fato deve conter todos os requisitos do delito, ou não se poderá falar em fato definido como crime. Deve ser determinado e descrito em suas circunstâncias essenciais (imputações vagas não são consideradas). De qualquer maneira, o conjunto das manifestações, se vislumbra incriminar alguém, autoriza a suposição da calúnia.”

Ela conclui: “Provada a calúnia, por consequência, devidos os danos morais pela ofensa sofrida. Logo, a imputação de crime não cometido em jornal autoriza o ofendido a buscar na esfera criminal e cível a reparação.”

===================================================

A decisão de pôr o nome do Dória no post veio do fato de que esse vídeo está na rede e nele o email é citado. Assim, como “caiu na rede é peixe”…Aliás, recomendo ver o vídeo todo (aqui). Caso esteja sem tempo,  saco ou os dois, a parte mais legal começa aos 25 minutos e dura aí uns 45, 50 minutos. Grato a outro Alto Conselheiro que deu a dica.

Anúncios

13 comentários sobre “Em email interno, editor do Globo elogia cobertura “capa de bandido”

  1. Pingback: Em email interno, editor do Globo elogia cobertura “capa de bandido” | #ditadurarj

  2. Eu não entro no debate se isso é bom ou mau jornalismo por acreditar que sequer pode ser chamado de jornalismo. Não tem um mínimo que o qualifique como tal.

  3. Pingback: Vírus Planetário – Jornalista denuncia: Editor do Globo elogia cobertura “capa de bandido”

  4. Você publicou a resenha na íntegra? Gostaria de ver–

    • Resenha, Júlia?

      • o email do Pedro Dória–

        • Ah! Não publicamos – eu e o Conselheiro – porque a parte que se refere à primeira é só aquela que está no post. O restante do email versa sobre outras partes do jornal, com citação de nomes de outros colegas, cuja menção, achamos, não vinha ao caso no contexto. Como você deve ter lido no post, não publico nome de jornalista se não for estritamente necessário. Esse é um dos motivos pelos quais estou há 17 anos no ramo e sempre respeitado. Vou ficar te devendo, ok?

          Bj

          • tudo bem, é claro. mas queria comentar apenas que, naquele dia, achei que a reportagem sobre os black blocs, feita por dois repórteres que os acompanharam do começo ao fim da noite, foi mesmo bem feita. e me parece que o Doria se referia a ela–http://oglobo.globo.com/rio/o-passo-passo-de-um-protesto-black-bloc-10397108

          • Não creio, Júlia. Na mensagem, ele falou dos personagens – e a edição da primeira dá destaque a três personagens – e, no debate, ele defende a cobertura como um todo, sem fazer qualquer ressalva. Não há dúvida que ele acredita realmente que O Globo fez um bom trabalho sob todos os ângulos.

          • ok. tá certo– em todo caso estou feliz de ter descoberto esse blog e sugiro que dê uma olhada no meu, uma alternativa á mídia tradicional– abraço

          • Só se for agora! 🙂

  5. Pingback: Protestos e redes sociais -- a mudança de poder da mídia - Pensar Enlouquece, Pense Nisso

Os comentários estão desativados.