Mal-estar no Globo – as manifestações chegam à redação

“Quem escreve para jornal é desocupado ou psicopata.”
A frase acima marcou o ponto mais baixo (alguém pode achar mais alto, não eu) do mal-estar interno na redação do Globo causado pela primeira abaixo, da edição de quinta, dia 17.

o-globo_17102013

Tecla de retrocesso.

No meio da tarde daquele dia, o email interno geral do Globo começou a receber centenas de e-mails revoltados com a capa “retrato de bandido” acima (sim, sei qual é o endereço). A imensa maioria – talvez uns 80% – era composta de um texto padrão, educado, que dizia algo como ser inaceitável O Globo fazer uma capa daquela, e 20% eram textos próprios, muitos com impropérios (as minhas fontes não quiseram me passar nenhum, argumentando, com razão, que a vigilância interna deve estar em níveis de alerta vermelho-sangue).  No mesmo dia, o cancelamento diário de assinaturas, que normalmente já não é desprezível (em torno de 10), subiu algo entre 10 e 20 vezes, segundo as fontes. A torrente de e-mails continuou até mais ou menos as 9h30min de sexta, quando o sempre competente setor de tecnologia do Globo conseguiu uma forma de bloqueá-la.

Aí o problema real começou.

Em política, há uma frase – “vaca está estranhando bezerro” – que se encaixa perfeitamente no que aconteceu na redação do Globo após o bloqueio dos emails de protesto. A parte mais nova dos repórteres respondeu o email da tecnologia, avisando do bloqueio das mensagens, protestando contra a censura, sob o argumento geral – comportando variações – de que não se poderia ignorar a insatisfação dos leitores, no mínimo porque eles são os clientes.

O “aquário” não gostou, claro, considerando a manifestação como uma espécie de motim, mas isso faz parte da tradição autoritária do Globo. O que não faz – ou fazia – parte dessa tradição é que jornalistas mais velhos apoiassem o bloqueio – ou seja, o cerceamento do direito dos leitores de opinar sobre o jornal que compram – e, mais, se manifestassem contra a discussão do tema no email geral da redação.

Nesse contexto é que Ilimar Franco, titular do Panorama Político, enviou a frase que iniciou esse post e define bem o abismo que separa os estamentos mais altos da redação do Globo – incluídos aí não apenas os que habitam o “aquário” – e a “jovem guarda” da redação, que, até por dever de ofício, está mais ligada ao que ocorre nas ruas (e agora está meio em pânico com as consequências da capa “retrato de bandido” para o seu dia a dia, já suficientemente perigoso ultimamente).

Num mundo menos imperfeito, a manifestação das moças e rapazes geraria não esse tipo de resposta de Ilimar, mas uma meditação dos “aquarianos” e seus aliados quanto aos caminhos que estão sendo seguidos pelo jornal. Talvez, nessa meditação, se chegasse à conclusão que as recentes manifestações no país – tirando os casos de violência gratuita, que são espetaculosos, geram medo, e, com isso, tendem a distorcer o raciocínio, mas não mudam o curso da História – apontam para uma mudança de patamar na democracia brasileira, que, como sabemos, não chega a ter nem 30 anos, como uma grande parte dos manifestantes.

Essa mudança de patamar é causada pela passagem da consciência do nível de subsistência de parte significativa da população – aquele no qual o importante é contar com energia elétrica e ter dinheiro, a fim de comprar a geladeira que permitirá guardar os alimentos por mais tempo, liberando uma parte dele, antes usado de obtê-los – para aquele em que o tal tempo ganho pela existência da geladeira fica à disposição para outras tarefas, como refletir sobre o futuro da família, especialmente a educação dos filhos, e sobre por que raios ele/ela precisa deslocar-se 100 quilômetros para a consulta com um médico que nem sempre está lá, levando um tempo enorme no trajeto devido ao péssimo transporte público.

A adaptação a esse novo tipo de racionalidade é um problema que afeta, em primeiro (e em segundo e terceiro) lugar os políticos e as diversas instâncias governamentais e suas burocracias. Outras instituições da sociedade, porém, terão que passar por esse processo e seria de bom alvitre para elas irem pensando nisso. Entre essas instituições, até pelo seu papel central na sociedade, estão os meios de comunicação.

No caso específico do Globo, a reflexão deveria partir de sua direção de redação, já que, por sua posição no processo de produção, tem acesso privilegiado aos dados reais do problema, entre eles aqueles trazidos pela “jovem guarda”, que anda pelas ruas e enfrenta-os diretamente. Levar essas reflexões aos Marinho é dever dos “aquarianos”. Se não o cumprirem, serão cobrados lá na frente.

E quanto à “jovem guarda”? Bem, se eu tivesse menos 20 anos e fosse tão bem preparado como eles são hoje em dia, e diante desse literal mundo de oportunidades que a mídia e as indústrias criativas e de serviço oferecem, eu estaria pensando seriamente em pular fora desse barco, pois já dá para ouvir as chapas de aço rangendo e uns barulhos estranhos vindo lá da casa de máquinas, enquanto os oficiais se esbaldam no salão de baile.

Anúncios

121 comentários sobre “Mal-estar no Globo – as manifestações chegam à redação

  1. Pingback: Mal-estar no Globo – as manifestaç...

  2. Pingback: Mal-estar no Globo – as manifestações chegam à redação | O LADO ESCURO DA LUA

  3. Ainda bem que existe vida na rua Irineu Marinho. Lutem!

    • Não acredito que um Jornalista de tamanha qualidade e versatilidade seja pau mandado, como diz um leitor sobre o William Bonner, muito pelo contrário! Seria de bom tom que a Globo revisse o seu papel diante de seus leitores. Manipular informações a respeito dos Governos, sejam Federal ou Municipal é no mínimo um desrespeito a toda a sociedade! Outros canais existentes dão melhores e maiores informações sobre o que acontece no País! A Globo, manipula e esconde tudo que pode! Chega, ou vocês são fieis ao que fazem ou abandonem. A sociedade já entendeu e já não suporta mais isto!

      • Você tem razão, Marie, Bonner não é pau mandado: manipula porque acredita mesmo que, para vencer politicamente uma contenda, tem que fazer isso. Ele, Ali, Merval, Míriam, Jabor…Esses creem mesmo no que fazem. Outros, como Noblat, por exemplo, não – são por dinheiro, pura e simplesmente.

      • Não tenho nada a acrescentar.

      • Nada a acrescentar.

      • Sei que o superbonder serve pra tudo, mas nao e jornalista e sequer estudou para tal, e apenas o garoto propaganda do jornal nacional.

        • Bonner tem formação em publicidade, Adriano, mas o diploma dele, expedido pela ECA-USP, o faz jornalista. Se é competente ou não é outra história.

  4. Brilhante

    • Obrigado, meu velho!

      • muito bom Ivson, há muito tempo parei de assinar esse jormal, quando começa o JN vem aquele sentimento horrível dos “pregos” da informação liderados pelo sr. Bonner “0 pau mandado”, o jornalismo da BAND está muiiito melhor…

        • Obrigado, Nílson! Infelizmente, por dever de ofício, tenho que ler não só O Globo como o Estado, a Folha e alguns outros (a Veja não, por recomendação médica).

  5. Pingback: Mal-Estar no Globo – As manifestações chegam à redação | Blog do Pedlowski

  6. Excelente e informativo comentário, Ivson. Meus parabéns. Estou compartilhando no FaceBook e G+. Saudações ácratas!

  7. Só um aviso ao O Globo: Quem planta vento, colhe tempestade.

  8. Há muito tempo não vejo um texto tão bem escrito e expressivo ao mesmo tempo, parabéns Ivson.

  9. Muito bom

  10. CANCELE A SUA ASSINATURA. A GLOBO AINDA APOIA DITADURA!

    • Eu não posso, Lula. Se não ler, como poderei baixar o cacete? 🙂

  11. Direto ao ponto. Bom texto. Já pensou em dar uma palestra para a “nata do jornalismo” carioca?

  12. Maravilhoso texto.

  13. Perfeito!!!!!! O castelo começa a ruir!! Eu sempre digo isso e é uma das minhas frases prediletas: Na história desse planeta, todos os grandes impérios ruíram, sem exceção!
    Começa a derrocada do grupo Marinho.

  14. Texto ótimo. Oproblema
    da derrocada deste império e o outro q nos aguarda, e o estado teocratico q cresce a olhos vistos com dinheiro e canais de televisão, tal qual a Globo,mas q não vão se interessar por politizar a população e sim em ensinar o creacionismo e q e só pedir q deus dará escola, saúde e educação. E muitomaisforte, pois quem faz oposição a deus só diabo! E quem lhe escuta vai pro inferno. Vai ficar difícil ter discussão ou mesmo oposição.

    • Excelente colocação, Claudia

    • Claudia, sempre pensei assim… Num futuro não tão distante, caminharemos para um totalitarismo religioso e intolerante que se acha, antes de tudo, já “escolhido e salvo” por Deus. Enquanto houver lideres religiosos e igrejas que não prestam contas do que arrecadam de seus seguidores, veremos passivamente esses teo-impérios crescerem para cima dos não-seguidores.

  15. Esse texto tem que ser compartilhado para sabermos que nem todo jornalista do O Globo é reacionário!! Valeu!!

    • Nenhuma instituição é monolítica, Marco, embora quem mande nelas venda essa ideia para calar os opositores internos. Há muitos jornalistas no Globo que não são reacionários, a maior parte, posso te garantir, mas o que faze se esse é um dos dois jornais que paga decentemente no Rio? Para os mais jovens, há ainda a perspectiva que apontei no texto, mas e os mais velhos, o que eles podem fazer? Todo mundo tem que pagar supermercado no fim do mês e, muitos, escola de filho. Sempre procuro lembrar disso que leio as matérias – e não só as do Globo.
      E obrigado pela leitura.

  16. O texto e a história são mesmo ótimos. Mas será que temos mesmo razão para esperança? A impressão é a de que passarão o rolo compressor e quem não estiver satisfeito que pique a mula. Pior: quem sair e começar a comentar o que viu por lá em detalhes vai virar imediatamente membro dos “blogueiros petistas”, ou seja, desprovido de qualquer credibilidade para contar histórias – vide PHA, Rodrigo Viana, Azenha, etc.

    • Rodrigo (é vc, né? Vive mudando de email…), nas OGs não há esperança mesmo – apesar do “estilo papista” adotado – a cobertura do Extra é exatamente oposta à do Globo, ou seja, os Marinho estão usando a jogada da Igreja: estar dos dois lados ao mesmo tempo. Minha esperança é que a “jovem guarda” se mude de vez para internet e sigam um outro caminho. Já há exemplos em outros países. Vamos ver.

      • …a cobertura do Extra é exatamente oposta à do Globo, ou seja, os Marinho estão usando a jogada da Igreja: estar dos dois lados ao mesmo tempo. Minha esperança é que a “jovem guarda” se mude de vez para internet e sigam um outro caminho. Já há exemplos em outros países. Vamos ver.”

        Ótimo saber que alguém pensa da mesma maneira. Já estava achando que eu era esquizofrenico. Parabens !

      • Haha, é que cada vez que invento um tema novo sobre o qual escrever invento um email novo também. Mas o RC é sempre o mesmo – para me aproveitar da fama do nosso querido cantor-censor.
        Quanto à internet, ainda não consigo ver de maneira tão clara. Que se abriu um caminho novo é claro, mas a força de uma manchete-cascata, no portal e até no papel, ainda é avassaladora. A ver.

        • Concordo, RC, mas durante muito tempo a Igreja ainda dominou após a invenção da imprensa. Essa é sempre a minha esperança – a História.

  17. Adorei saber que o jornalismo não está perdido. Nos últimos meses só tive decepção.

    • Rosália, o jornalismo não está perdido, cereio. Passa por um momento de “quebra de paradigma” (odeio essa expressão de empresariês, mas fazer o quê?) e daí surgirá algo de novo. Não acredito que nas OG, mas em outros lugares, quase certamente na internet.
      E obrigado pela leitura. 🙂

  18. Gostei do texto ! Fico feliz de saber quem ainda tem gente que pensa, reflete, luta e…demora…mas, conquista !! Continue firme no leme !

    • Obrigado, Linéa! É como dizia Lênia (ou um daqueles pais do socialismo): “a paciência é revolucionária”.

  19. Valeu a pena clica pra ler este post. tão bem escrito. obrigada! e vamos refletindo onde estamos colocando nossa energia, adeus á globo..

  20. Excelente notícia – a que informa existir um mal estar dentro do Globo – talhada com rara beleza.

  21. Quando eu me pergunto os motivos pelos quais escolhi esta profissão; quando eu me pergunto o valor de tanta dedicação aos estudos, à pesquisa, são essas situações que me levam à indignação necessária, à fúria. São elas que me respondem.
    Pé na porta dessas redações, jornalistas!

    • Acho que o melhor é simplesmente fechar a porta atrás de si e ir embora, tratar da vida em outro lugar, Flávia. Hoje, jornalismo não é mais – e cada vez menos é – redação. Pelo menos, creio assim.

  22. Foi um alívio ler isto!

  23. Texto ótimo; objetivo, fluido e elegantemente incisivo e – esclarecedor.
    Parabéns. Vou pôr para circular.

  24. Já compartilhei! Abraços

  25. Bom texto, boa reflexão

  26. Tomei conhecimento agora dessa matéria, tentei compartilhar, ela está bloqueada, ao menos para mim!!!!!!!!!!!!!!!

    • Estranho, Luis, todo mundo está conseguindo. Talvez o número de acessos esteja impedindo. Tenta mais tarde.

  27. A globo vai subsistindo até o próximo empréstimo e talvez o povo não permita mais que o Bndes ou outra m qualquer entregue seu dinheiro a esta formadora de idiotas ( de idiotice) e zumbis…. Será uma briga e tanto!! EU NÀO ASSISTO A GLOBO HÁ MUITO TEMPO!!! Desde caloura da PUC-Rio,e digo… Nunca fez falta e não deixou saudades!!!

  28. Parabéns pelo texto Ivson.
    Agora, acredito que a tecnologia bloquear os e-mail faz todo sentido. Qualquer empresa que está acostumada a receber mil e-mail de de uma hora para outra começa a receber 100 mil precisa fazer isso, ou se não todo o sistema pode cair e prejudicar todos os outros setores da empresa. Toda empresa grande já teve um caso parecido e bloquear e-mail foi uma saída rápida para evitar o pior.
    Abs!

    • Obrigado, Felipe.
      O problema foi o bloqueio absoluto. Os emails poderiam ter sido desviados para uma caixa especial, a ser acessada por quem quisesse da redação. Assim, o ponto não foi o bloqueio de emails, mas a desconsideração da opinião dos leitores.

  29. Poderia me dizer como tal veículo resiste a tanto tempo, com tantas “pancadas” que recebe?
    O que será necessário para poder acabar com esse tipo de imprensa?

    • Não é tanto tempo assim, Rodrigo, só de uns anos – quatro ou cinco para cá – e ele faz parte de um império monopolista. Era fácil resistir. Agora, com os novos usos da internet, é que complicou. Para acabar? Só com democracia na veia – e isso, por aqui, vai demorar mais um pouco, tipo 50, 80 anos. Mas a gente chega lá.

  30. Não tinha lido nada tão esclarecedor até agora!

  31. Muito bom saber que isto está em curso…

  32. só faltam protestos FORTES na porta da Globo, que tem suas cercanias poupadas

  33. Texto brilhante que mostra a tão temida realidade.

  34. Ótimo texto! Neste dia sentí uma indignação profunda ao perceber que o título que chamava de vândalos os manisfestantes que foram presos,divergia do texto que o acompanhava.No texto que descrevia a forma que estas pessoas foram presas,relatava que a polícia prendeu uma moça que estava numa barraca, outro porque estava filmando,ou seja não estavam fazendo nada além de estarem exercendo seus direitos de expressar sua insatisfação com os absurdos que nós comuns mortais convivemos diariamente no RIo de Janeiro.
    São jovens de muita coragem e o Globo perdeu definitivamente o bonde da história preferindo fazer o jogo do Governo do Rio (anunciante do jornal)a ouvir o clamor das ruas.

    • Não adianta privilegiar um anunciante, Mônica, se os outros se mandarem por falta de leitores (incluindo os tais desocupados e psicopatas do Ilimar Franco). Sem leitores, por que cargas d’água um anunciante anunciaria num jornal, né?
      E muito obrigado por ler o post. 🙂

  35. Parabéns! Como eu imaginava até os jornalistas são “direcionados” pela Matrix Globo. Pulem fora o mais rápido possível e deixe-os afogar na lama em que produziram.

    • Há quem possa fazer isso, Ângelo, mas nem todos. Os mais velhos estão presos numa armadilha – têm seu compromissos como qualquer um de nós (supermercado, escola dos filhos, pensão alimentícia…) e não estão suficientemente preparados para salta para o futuro, a internet. Os jovens sim, esses, na minha perspectiva, não têm nada a fazer nas OG, a não ser ganhar um pouco de experiência, antes de evadir-se.

  36. Clap, clap!

  37. Perfeito! Lavei a alma lendo o texto. Parabéns!

  38. GROBO e você, tudo haver

    Não entendo ainda por que perdem tempo lendo GROBO.
    Em geral são materias tendenciosas, imprecisas, superficiais e levianas.

    e a partir de hoje, vou tratar esta empresa com o mesmo nível de respeito como ela trata as pessoas de uma maneira geral. Passa a ser chamada de GROBO. E conclamo a todos por fazer o mesmo

    GROBO e vc que ainda assiste, tudo haver…

    • Só posso responder por mim, Marcelo: como sou profissional de comunicação, tenho por obrigação ler O Globo – e Folha e Estado e Época…A única exceção que abro é a Veja. Mesmo meu profissionalismo não resiste àquilo – não leio para preservar a saúde.

  39. Orgulhosa por vc!!!!!!!

  40. A ideia de que somente o Império da Globo nos separa do Império obscurantista das universais me uma sensação bem desagradável… E, por outro lado, eu poderia pensar que os bons profissionais deveriam se recusar a prestar serviços para O Globo por uma questão de respeito aos mais básicos princípios do jornalismo… Mas, não consigo pensar assim. Há que se ter essas pessoas lá dentro para formar alguma resistência… Só não cancelei minha assinatura por causa dos colunistas do Segundo Caderno.

    • Para quem não é jornalista no Rio é mais fácil pensar que os profissionais do Globo (e de outras empresas das OG) devem chutar o balde e ir embora. O problema é: onde arranjariam emprego? Não é tão simples assim.

  41. O povo na rua diz:
    ” A verdade é dura, a Rede Globo apoiou a ditadura”.
    E eu escrevo:
    A verdade é dura, na Rede Globo ainda há ditadura.

  42. Quer dar um golpe no seguro? Cole um adesivo da globo no seu carro e estacione ele perto de uma manifestação.

  43. Eles estão desesperados

    • Sim, Cláudio, algo acontece no aquário, mas não é novo – é o mesmo oposicionismo antipetista de sempre.

  44. excelente texto!!

  45. GOSTARIA DE SABER DA MÍDIA ” GLOBO “, NOTÍCIAS INTERNACIONAIS MANIFESTANTES SÃO CHAMADOS DE ” ATIVISTAS MASCARADOS ” E NO BRASIL SÃO ” VÂNDALOS MASCARADOS ” ???????????

  46. Ivson, quando vi esta capa tive NOJO, assim como eu, que já tenho 25 anos de formada, a velha guarda do jornalismo também deve ter sentido asco. Mas uma luz apareceu, quando os jovens presos políticos foram soltos e inocentados pela Juiza… Como é que fica o direito de resposta??? Pela Lei da imprensa eles teriam direito ao mesmo espaço usado para difamá-los , ou seja : a CAPA mais a página dupla dentro do jornal. Ai meu caro, será a hora em que a jovem guarda da redação vai SORRIR … Como diria Nietzsche “Não perca O (eterno) RETORNO. Continue nadando no Zuvuya

  47. Muito bom texto, confrade.

  48. Amigo, gostei muito do seu trabalho. Estou passando aqui só para te deixar um convite para transformar este seu blog em profissional. Este conteúdo merece o upgrade.
    .
    Caso tenha interesse, dê uma olhada nesta empresa. São lideres em aluguel de sites no Brasil.

    • Esqueci do site. auhhuahuah. Eles construíram o site da minha empresa… é este aqui: http://www.alugueseusite.com
      Desculpa pelo esquecimento =D

      • Juan, obrigado pelo convite elogioso, mas já tive esse convite de profissionalização lá por 2000, 2001, quando o Rodrigo Azevedo estava criando o Comunique-se. Não quis na época e não quero agora. Não acho que seja o meu papel. Valeu!

  49. Já tinha lido esta matéria, Ivson,.. E na hora que li, lembrei-me do Brizola, do dia em que ele usou a lei contra a rede Globo. Foi inesquecível !!! Não perca o RETORNO…Vamos torcer!

  50. Pingback: Rafucko x Pedro Dória | URBe

  51. Pingback: Mal-estar no “Globo”: as manifestações chegam à redação | Midiafazmal - crítica de mídia

  52. Eles nao tem respeito pelos leitores simplesmente porque a renda principal dessas midias não vem da suporta audiencia, mas do pagamento de materias, propagandas governamentais e apoio politico que os beneficiam em contrapartida.

    • Não é exatamente assim, Adriano, não tão direto, mas só o fato de você pensar dessa maneira – como, certamente, muitos outros – é uma clara indicação do nível de descrédito a que a imprensa chegou no Brasil.

  53. Sou professor de história em Belo Horizonte e li deleitosamente o seu texto. Aqui em Minas, vivemos um estado de exceção liderada pelos Associados (jornal Estado de Minas), pela Globo Minas e rádio Itatiaia. Formando e deformando opiniões na sacrossanta cruzada de transformar Aécio num estadista. Falou mal, ciao!

    • Fico feliz de você ter gostado, Clayton.
      Já tive notícias do que ocorre por aí. No momento, tenho ligações bem estreitas com Minas, especialmente BH.

  54. Como assim? Os netos de Gramsci estão disputando espaço com os filhos do pensador? O espaço ficou apertado?
    E tudo isso para produzirem “papel para forrar gaiola de papagaio”?

  55. Ivson, eu não te conheço mas você está de parabéns. Vim parar aqui através de um link num comentário do “viomundo”.

    Muito esclarecido, e escreve muito bem!

    É sempre um prazer ler textos de alto nível.

  56. Pingback: Mal-estar em O Globo: As manifestações chegam à redação | novobloglimpinhoecheiroso

  57. Pingback: Fogo amigo | Crise no jornalismo

  58. Pingback: Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come. | Crise no jornalismo

  59. Pingback: Ainda há jornalistas em Berlim - Epoch Times em PortuguêsEpoch Times em Português | Leia a diferença

Os comentários estão desativados.