A volta e a volta do JB

Não sou lá muito esperto e não há muito o que eu possa fazer diante dessa predisposição genética, ainda mais agora que estou idoso. Assim, não cheguei a me surpreender por não ter entendido quando, há mais ou menos um mês, Osmar Resende Peres Filho adquiriu o título o Jornal do Brasil, que pertencia a Nelson Tanure desde 2000, e, no embalo, anunciou que ele voltaria às bancas, deixando de ser apenas digital, como ocorre desde 2010.

A minha incompreensão nem era tanto por Catito, como é conhecido, ir contra a corrente e voltar ao mundo impresso quando, dizem os sábios, o caminho rumo ao digital é inexorável. Afinal, se você organizar a coisa direito, o digital amplia o alcance do impresso, que nem precisa ter uma tiragem enorme para atingir um público grande. O problema era o porquê um cara do ramo de restaurantes (Fiorentina e Bar Lagoa, no Rio, Piantella, em BSB) iria voltar ao jornalismo com uma operação tão arriscada. Sim, voltar porque Resende Peres Filho já foi dono da TV Panorama, afiliada da Globo em Juiz de Fora, onde possuía ainda a rádio do mesmo nome, e ainda tivera uma passagem-relâmpago pelo Jornal do Sports (mas não rápida o suficiente para evitar ser processado na Justiça do Trabalho).

Ainda bem, porém, que há gente realmente esperta nesse mundo. Sobraram até algumas no jornalismo, como é o caso de Consuelo Diegues, da Piauí. Um tempo para você ler a matéria assinada por ela, que nem é extensa, para os padrões da revista do João Moreira Salles. 1, 2, 3…..

Leu? Então sacou, como eu, é que o “revival” do ex-“jornal da Condessa” às bancas é, na verdade, uma volta do Tanure na Anatel, jogada para poder sentar à mesa de controle da Oi. Um lugar bem amplo, pois, diferente do que está na matéria da Consuelo, Tanure não seria mais dono de apenas 7% das ações de tele, mas de algo entre 22% e 25%, contando suas participações em outras fontes, também acionistas da companhia.

“Ok, mas por que raios o Tanure quer tanto ser influente numa empresa que deve R$ 65 bilhões a mais de 60 mil pessoas físicas e jurídicas?”, perguntará você, com toda a razão. A explicação para o aparente contrassenso está no PLC 79/2016, aquele que, dizem muitos, daria de presente R$ 100 bilhões em bens de telecomunicação da União às teles. Estes seriam bens que retornariam à União em 2025, para a realização de novo leilão. Há dúvidas bem razoáveis de que o valor desses bens seja mesmo de R$ 100 bi – as teles dizem que é de algo em torno de R$ 20 bilhões. O projeto de lei já tinha sido aprovado no Congresso e esperava apenas a sanção de #foraTemer quando foi paralisado por um liminar e retornou ao Senado, cujo então presidente, Renan Calheiros, bateu o pé e diz que agora só entraria em pauta quando o STF definir-se sobre o mérito da ação proposta pela oposição contra o PLC, o que não tem data para acontecer.

Enrolado, né? Mas nada que assuste Tanure (ou Catito), gente muito bem relacionada que conhece bem os bastidores da política (Resende Peres Filho foi secretário de Indústria e Comércio na gestão de Itamar Franco em Minas e candidato ao Senado pelo PDT, em 2006). Tanure aposta que, mais dia, menos dia, a Oi vai dar um tremendo retorno, mesmo sem o PLC – a companhia é peça-chave nas telecomunicações do país, “grande demais para quebrar”, e, assim, mais dia, menos dia, o governo terá que ajudá-la a sair do buraco, o que a valorizaria. Aposta arriscada, claro, mas os ganhos compensam os riscos, na avaliação dos jogadores.

Como se vê, o JB velho de guerra é apenas uma peça, e não tão importante assim, num jogo muito, muito maior, que nada tem a ver com jornalismo.

Acusação de suborno do NYT pelo PT vence o King of the Kings de maior cascata de 2016

A acusação do colunista da Época Guilherme Fiúza de que o New York Times recebeu pagamento do PT para criticar #foraTemer, publicada em junho, foi eleita como maior cascata de 2016 pelos leitores da Coleguinhas. No pleito, que contou com o maior número de sufrágios (2.670) dentre as suas nove edições, a cascata da semanal da Editora Globo susperou por apenas dois votos – 171 a 169 – a segunda colocada, o lero da Veja de que Lula pediria asilo na Itália para escapar da Lava-Jato, chorumelada em março.

Abaixo as Dez Mais das cascatas de 2016, com seus respectivos autores (quando identificados):

 

20170129_tabela-kofk

 

Alguns comentários sobre a eleição cascatal de 2016:

1. O título individual foi da Época, mas o melhor desempenho cascatal por equipe foi da redação do Estado de São Paulo, que, por este motivo, conquistou o Troféu Boimate

2. A redação do jornal cinquentecentão de São Paulo também teve o maior número de cascatas entre as Top Ten (3)

3. Metade das Dez Mais foi publicada em revistas semanais, com Época e Veja dividindo a primazia, com duas cascatas cada.

4. Numa divisão por assunto, a tentativa de encobrir o golpe de estado parlamentar e a Lava-Jato diretamente foram objeto de três cascatas cada, ficando ataques pessoais à presidente Dilma e o RP puro e simples para o Golpista, com duas.

Rufem os tambores! Que comece a eleição da maior cascata de 2016!

Não, meu caro/minha cara, 2016 ainda não acabou – sobrou um compromisso importante a ser quitado: a eleição da maior cascata do ano. Esta é a nona vez que o pleito é realizado de maneira seguida (em era anterior da Coleguinhas, era realizado de maneira esporádica). O King of the Kings – desculpe a falta de modéstia – é único no cenário do jornalismo brasileiro por não haver outro que reconheça o esforço e a determinação dos coleguinhas na busca pela completa desmoralização da própria profissão, quebrando aquele contrato tácito de que o jornalista deveria apenas contar a verdade da melhor maneira que pudesse a fim de que o leitor fizesse seu julgamento. Caso você tenha interesse em ver os premiados desde 2008 e a origem do nome do prêmio é só ir em “Hall da Infâmia do King of the kings”, aí na aba superior.
Este ano, são 28 cascatas na disputa e as regras e dicas para a eleição são as seguintes:

1. Você pode votar em até 14 concorrentes. Não é proibido de votar em menos, mas, francamente, creio que você vai é achar o número bem limitado, dada a qualidade das cascatas (e a consequente falta de vergonha na cara das matérias).

2. Como é uma final – o que obriga a uma responsabilidade maior no ato de votar -, o prazo normal de uma semana será estendido para duas, a fim de que você pese com calma antes sufragar suas escolhidas. Assim, a eleição termina em 29 de janeiro.

3. Caso você tenha alguma dúvida sobre uma ou mais cascatas específicas, os links para elas estão aqui do lado direito.

Então, vamos lá! Vote! Premie aqueles que mais tentaram engabelá-lo/a com mentiras, meias-verdades e manipulação.

Estadão conquista o Troféu Boimate de redação mais cascateira de 2016. Últimas concorrentes ao Kofk são definidas.

Após um ano e quatro seletivas, chegamos às 28 finalistas do King of the Kings-2016, com a escolha das últimas seis candidatas. A definição encerrou também a disputa pelo título de redação mais cascateira do país – a vitória coube aos coleguinhas do Estado de São Paulo, que emplacaram 9 das 28 candidatas a maior cascata do ano (32%). Um desempenho tão excepcional que mesmo que a Veja não fosse “hours concours” a redação do Estadão teria vencido.

Vejam a agora as escolhidas na última seletiva do King of the Kings-2016.

1. O Globo apresenta reforma que ataca direitos trabalhistas como boa para trabalhadores – 44 votos

2. Veja aposta em Marcela para salvar Temer – 36

3. Temer chama entrevista ao Roda-Viva de “propaganda” – 33

4. Só Estadão vê 600 mil pessoas protestando em Copacabana – 21

5. Folha publica notícia antiga para expor blogs de esquerda – 16

6. Lula é indiciado após Lava-Jato anunciar investigação no Governo FHC (Época) – 12
Na semana que vem começa a votação para a escolha da maior cascata de 2016. Prepare-se!

A quarta (e última) seletiva para o King of the Kings-2016

Fim de ano chegando, é hora da última seletiva para a finalíssima do King of the Kings-2016, marcada para janeiro. O KofK, como você talvez saiba, é a única premiação a reconhecer, desde 2008, a determinação e o esforço dos coleguinhas em sua labuta por desmoralizar irremediavelmente o jornalismo brasileiro (os premiados dos anos anteriores estão na faixa lá de cima, no “Hall da Infâmia”). Desde o ano passado, há também o Troféu Boimate, que premia a redação mais cascateira.

Como acontece há alguns anos, desde que os coleguinhas entraram num frenesi cascateiro, espero até o finzinho do ano para realizar a votação das últimas concorrentes. Este ano, como estarei viajando a partir do dia 30, terei de torcer para que nenhuma grande cascata role nos dois dias finais de 2016 para que não haja uma grande injustiça.Se acontecer tentarei atualizar, mas não posso dar certeza.

Bom, antes de passar à lista, seguem as duas regrinhas do pleito:

1. Você pode votar em até sete (6) concorrentes entre as 8 da lista. (ATUALIZAÇÃO: são 9 agora. Tive que botar a capa da Veja com a Marcela #ForaTemer)

2. A votação terminará no domingo, dia 8 de janeiro.

Passemos às concorrentes, pois.

1 .Veja é multada por divulgar pequisa eleitoral sem registro

2. Folha publica notícia antiga para expor blogs de esquerda

3. Lula é indiciado após Lava-Jato anunciar investigação no Governo FHC

4. Temer chama entrevista ao Roda-Viva de “propaganda”

5. IstoÉ insinua ameaça de petistas a delatores

6. Só Estadão vê 600 mil pessoas protestando em Copacabana

7. O Globo apresenta reforma que ataca direitos trabalhista é apresentada como boa para trabalhadores

8. Nove em cada 10 brasileiros atribuem sucesso financeiros a Deus

9. Veja aposta em Marcela para salvar Temer.

Os deputados e os veículos de comunicação – V (Confiança e Influência)

Qual o grau de confiança que os deputados federais depositam nos veículos que leem e qual o grau de influência que têm sobre os votos que dão sobre as matérias que lhe são apresentadas? Essas pergunta também foram feitas na pesquisa da FSB a respeito de como os políticos se informam e qual a influência os meios de comunicação têm sobre eles. Os resultados seguem abaixo.

 

CONFIANÇA

Farei uma comparação com os dados obtidos pela Secom na última Pesquisa Brasileira de Mídia com a população em geral, publicada em 2015 com dados referentes a 2014 (o segundo gráfico acima). Na PBM, os dados se referem aos usuários que usam os meios, um pressuposto que, creio, a FSB também seguiu no seu levantamento.

 

20161127_relatorio_midia_e_politica_fsb_2016_confianca-nos-meios

 

01_tabela_confiança_geral_confia

 

1. Como se observa, nos dois casos os jornais são o meio com maior credibilidade. No entanto, é notável a diferença entre a confiança neles depositada pelos parlamentares (70%) em relação à sociedade em geral (58%).

2. A discrepância é menor em relação tanto à TV quanto ao rádio, embora significativa também. Enquanto a TV, na pesquisa da Secom, conta com a confiança de 54%, na da FSB a porcentagem fica em 60%. Já no que se refere ao rádio, a diferença vai a 8 pontos percentuais (52%, na Secom, e também 60%, na FSB).

3.Extraordinária, para mim, é a diferença de percepção entre parlamentares e a sociedade na confiabilidade da internet.

a. Sites: Na pesquisa da FSB, a credibilidade dos sites é de 51% contra 30% na da Secom, uma enorme diferença de 21 p.p.

b. Menor, mas ainda grande (no nível da que ocorre em rádio e TV), é a diferença na avaliação de confiança no que se refere aos blogs: 34% (parlamentares) contra 25% (público em geral).

c. Os dois resultados acima (e também se tomamos em conta os de jornais, rádios e TVs) torna muito notável a inversão de confiança em relação às redes sociais. Enquanto entre 18% e 19% dos parlamentares confiam no Twitter e no Facebook, este índice é de 26% no geral da sociedade. Esta diferença pode estar agravando a erosão da credibilidade do Parlamento, já que as RS têm um alcance enorme e por sua facilidade de acesso faz com que as mensagens nelas postadas atinjam o público em vários momentos por longo tempo.

4. O único meio sobre o qual se pode dizer que parlamentares e seus eleitores concordam é a respeito das revistas semanais: ambos desconfiam muito delas. Apenas 47% creem no que leem nelas, contra 44% da sociedade em geral.

5. A comparação dos resultados dos dois universos mostra que os parlamentares são bem mais crentes na mídia do que a população em geral, um ponto a mais de discrepância entre quem faz as leis e a maior parte dos que devem cumpri-las. Em teoria, esta questão deveria preocupar as empresas de comunicação porque, mais dia menos dia, se nada for feito, a percepção da minoria tende a se aproximar da maioria, algo que já ocorreu, por exemplo, com as revistas semanais.

INFLUÊNCIA

Sabemos, então, o quanto os deputados federais confirma nos veículos que leem/veem/ouvem, mas sobre o quanto eles influenciam em suas decisões, e nas da Congresso como um todo? A resposta obtida pelo levantamento da FSB vai abaixo.

20161127_relatorio_midia_e_politica_fsb_influencia-da-midia-no-voto
Pelo gráfico, a influência do que leem nos meios apresenta uma influência média nos votos dos deputados, com uma média 5,4% nesta pesquisa, 1,2% p.p. abaixo da que tinha em 2014, uma perda de 33% (um terço do poder influência). Quando são instados a dizer o quanto, em sua opinião, o que leem/veem/ouvem nos meios influenciam os membros do Congresso em suas decisões (incluindo aí, penso, embora a FSB não diga claramente, o Senado), os deputados creem que n]ao há uma influência tão grande – apenas 4,3%, pouco menor do que dois anos antes. Isso pode apontar pelo menos uma das razões:

1. Os senadores são menos influenciados pelos meios de comunicação do que os deputados;

2. Fatores como lobbies (de qualquer tipo, inclusive direta das bases) e decisões não individuais (partidárias, de grupos ou de líderes ou das Mesas da Câmara e do Senado) pesam tanto ou mais do que a dos veículos de comunicação.

Essas duas questões deviam ser objeto de perguntas específicas nas próximas pesquisas da FSB.

METODOLOGIA

1. O universo abrange apenas os deputados federais.
2. Foram ouvidos 230 parlamentares de 26 partidos, nos dias 8 e 9 de março.
3. A escolha foi aleatória, mas observou-se a proporcionalidade das bancadas.
4. Partidos com apenas um representante não fazem parte da amostra por permitirem a identificação dos respondentes.
5. Para 2016, as respostas alcançam apenas o primeiro trimestre.

Os deputados e os veículos de comunicação – II (Jornal)

Vamos então à segunda parte da análise da pesquisa da FSB a respeito de como os políticos se informam e qual a influência os meios de comunicação têm sobre eles. A primeira parte da análise entrou na rede semana passada e as próximas se estenderão por mais algumas semanas (ainda não sei quantas). Esta semana veremos os dados sobre a frequência de leitura dos principais jornais pelos parlamentares e por quais canais eles os acessam com maior assiduidade.

Antes de começar, os lembretes metodológicos:

1. O universo abrange apenas os deputados federais.
2. Foram ouvidos 230 parlamentares de 26 partidos, nos dias 8 e 9 de março.
3. A escolha foi aleatória, mas observou-se a proporcionalidade das bancadas.
4. Partidos com apenas um representante não fazem parte da amostra por permitirem a identificação dos respondentes.
5. Por internet, o levantamento abrange mídias sociais, blogs e sites.
6. A pergunta sobre a leitura de jornais locais foi realizada pela primeira vez nos nove anos da pesquisa.

Vamos então ao primeiro par de gráficos e suas correspondentes análise.

relatorio_midia_e_politica_fsb_2016_10_24_II
1. A Folha é, disparado, o jornal mais consultado pelos deputados, com 15 pontos percentuais a mais que o concorrente direto mais próximo. Ponto para o marketing do jornal, que sempre insiste que não dá para não lê-lo, o que, convenhamos, não é verdade há algum tempo, pois não se tem diferenciado pela cobertura de política e economia (os dois assuntos mais importantes para os parlamentares, como veremos) da concorrência.

2. O ponto mais interessante, embora não surpreendente, deste item da pesquisa é a boa colocação dos jornais regionais. Não é possível comparar, pois foi a primeira vez que tais veículos foram inseridos no levantamento, mas, ainda assim, estar n o mesmo nível de jornais ditos nacionais como Globo e Estadão é bem significativo.

3. O Globo tem um resultado algo decepcionante, apesar de 7 em 10 deputados afirmarem que o leem regularmente. Para um jornal que se arvora como nacional não é um resultado entusiasmante, estando 19 p.p. atrás da Folha e 5 p.p. do Estadão. Explicações, que não se anulam: a) o zig-zag do jornal que, nos últimos anos, têm alternado momentos mais regionais e momentos mais nacionais; b) o fato de, nos momentos principais, tem sido apenas caixa de ressonância da TV Globo e mesmo da Época e do portal G1, perdendo, assim, um tanto da personalidade própria.

4. O Valor apresenta um desempenho razoável, com mais da metade dos deputados, lendo um jornal muito setorizado. Creio que haja espaço para crescer ainda um pouco nos próximos anos.

5. O Correio Braziliense é, dos listados, o único que aparece com menos de 50% de leitura. O desempenho é ruim, pois é o jornal de Brasília e parece indicar que, com o passar dos anos, tenda a desaparecer ou tornar-se completamente regional.

6. Essa tendência no que concerne ao Correio fica mais forte quando se observa o segundo gráfico, no qual observa-se ter havido uma queda muito grande no índice de leitura de 2015 para 2016 – na menos do que 10 pontos percentuais.

7. Folha e Globo também variaram para baixo um pouco de 2015 para 2016, mas não de maneira tão forte – Folha, de 91% para 89%; O Globo, de 73% para 70% – e o Estadão chegando a subir de 71% para 74%. O Valor manteve-se praticamente estável (54% para 55%).

 

O segundo par de gráficos é, ao meu ver, um dos mais interessantes de toda a pesquisa da FSB por trazer duas informações algo surpreendentes: queda do papel como suporte de leitura dos jornais e a ascensão dos veículos móveis, especialmente os celulares.

 

relatorio_midia_e_politica_fsb_2016_10_24_III

 

1. Os títulos dos gráficos os explicam bem, mas o que impressiona foi a queda brutal, de 29 p.p., quase um terço, da leitura em papel. Essa alteração brusca, porém, pode ter uma explicação mais prosaica que a mudança tecnológica – a presidência da Câmara, em medida de austeridade, suspendeu a entrega gratuita de assinaturas nos gabinetes das excelências.

2. De qualquer forma, o jornal impresso ainda é a forma favorita dos deputados lerem diários, com 42% da preferência, 10 p.p. acima do celular, que está em segundo com um salto de 14 p.p. de 2015 para 2016.

3. Se contarmos todos os acessos digitais, a leitura via algum dispositivo fica em 57%.

4. O segundo gráfico do par é também tremendamente interessante – e talvez mais significativo – por mostrar que o tipo de acesso muda conforme a idade, com 64% dos parlamentares abaixo de 40 anos acessando jornais por meio de celulares (nada menos que 50%) e tablets (14%), uma maioria que não ocorre em nenhuma outra faixa etária superior.

5. No entanto, se ampliarmos o acesso digital para além dos dispositivos móveis e incluirmos os computadores, apenas na faixa que vai 41 a 50 anos, os veículos impressos são lidos pela maioria dos parlamentares (53%).
Quem quiser baixar a pesquisa, pode fazê-lo clicando aqui.