Está valendo!

Demorou quatro anos, mas saiu: Dilma sancionou o PLC-116 com apenas dois vetos, que não mudam nada. Leia aqui.

Em busca do empate

Depois de levar o primeiro gol da Op-Mid. o governo Dilma vai atrás do empate. Leia aqui.

Terreno minado

A decisão da Anatel de liberar a entrada das teles no mercado de TV a cabo (resumo aqui) é muito legal para nós, consumidores, mas vai enfrentar dura resistência, que já começa dentro mesmo da agência reguladora (aqui).

Aperto nas teles

Dilma mandou que a Anatel adiasse mais uma vez a assinatura da terceira Plano Geral de Metas para a Universalização. A presidente não gostou nada do acordo entre a agência e as teles pelo qual estas se comprometiam a vender acessos de 600 kbps por R$ 29,00 e, ainda assim, se o governo desse algumas contrapartidas. Dilma até aceita o preço, mas quer, no mínimo, velocidade 1 mega, e a seco. Leia mais.

Assim fica difícil

As teles reclamam que o governo e a Anatel estariam sendo injustos em suas metas de universalização da banda larga. Então, ambos pemitem que as empresas apresentem suas propostas. Aí olha o que elas botam na mesa – aqui.

Assim,não é difícil entender a espanada que o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, deu nas empresas em seu depoimento  no Senado. Leia aqui.

PL-116: E lá vamos nós de novo

O ministro Paulo Bernardo acha que o PL-116 (ex-PL-29) pode ser votado ainda este semestre (leia aqui).

Então tá.

PL-29: via-crúcis prossegue em 2011

O PL-116 parte para seu quarto ano de tramitação (começou lá em 2007, com o número 29) e não haá garantia nenhuma de que vá mesmo ser votado em 2011. Leia mais.