Chegou a hora! Escolha a maior cascata de 2015!

Após um ano inteiro e oito seletivas, das quais participaram 38 concorrentes de altíssimo (ou baixíssimo) nível, finalmente você terá a oportunidade de escolher a maior cascata de 2015. Ela conquistará o King of the Kings, único prêmio a reconhecer os coleguinhas que, arduamente, dia a dia, se esfalfam para esculhambar o jornalismo brasileiro.
Como sempre, antes da lista das finalistas, vamos às regras, que são bem simples:

1. Você poderá escolher até 15 (quinze) concorrentes.
2. A votação terminará domingo que vem, dia 17.

Antes da apresentação oficial, uma dica da organização: normalmente, as cascatas mais recentes levam certa vantagem por estarem mais fresquinhas na cabeça. Para equilibrar um pouco, tente lembrar do impacto (ou não) que a cascata teve quando você a leu e como ela repercutiu à época.

Então (rufar de tambores!), aqui estão as finalistas do King of the Kings-2015!

  1. Corrupção desviou R$ 88 bilhões da Petrobras (Folha)
  2. Lula está com metástase (UOL)
  3. Petrobras cria empresa de fachada para construir gasoduto (O Globo)
  4. Reuters pede aprovação de FHC para publicar que a corrupção na Petrobras começou no governo dele
  5. Repórter assedia adolescente sobrinho de Lula (Veja)
  6. Manchete do Globo de 16 de março (O Globo)
  7. Coleguinhas “esquecem” de ouvir advogada da Odebrecht que encontrou ministro (Todos)
  8. Tinta vermelha de ciclovia mancha carros em São Paulo (TV Globo)
  9. Lula forçou Petrobras a patrocinar escolas de samba do Rio (Valor)
  10. Sonegação da Operação Zelotes é maior que a corrupção na Petrobras, mas mídia não está nem aí (Todos)
  11. CBN tenta culpar Haddad por denúncia sobre irmão de secretário de Alckmin
  12. Irmãos Marinho tentam mostrar que Globo não ajudou a Ditadura de 64 (Valor)
  13. Lula confessa a Mujica que sabia do Mensalão( O Globo)
  14. Ciência sem Fronteiras não paga bolsa de estudantes (TV Globo)
  15. MP investiga Lula por fazer lobby no BNDES  (Época)
  16. Carlos Alberto Sardemberg culpa Lula e Dilma pela crise da Grécia (CBN)
  17. Lula pede “habeas corpus“ para não ser preso na Operação Lava-Jato (Folha)
  18. Venezuela veta entrada de senadores brasileiros (O Globo)
  19. Romário tem conta escondida em banco suíço (Veja) 
  20. Época diz que problemas políticos de Dilma se devem à falta de sexo
  21. Lula tem tríplex no Guarujá dado por empreiteira da Lava-Jato (O Globo)
  22. Escondendo Cunha (Folha)
  23. Barriga de Lauro Jardim provoca admissão de erro do Globo na primeira página
  24. Merval prevê “caminho livre para golpe” e STF, SQN  (O Globo)
  25. Bill Gates processa a Petrobras (Vários)

Lauro Jardim e Merval na final do King of the Kings – 2015

As últimas três concorrentes à edição 2015 King of the Kings, prêmio que reconhece o quanto os coleguinhas e os veículos brasileiros batalham para detonar o jornalismo brasileiro, estão escolhidas. Não houve grandes surpresas – as duas favoritas se classificaram com tranquilidade e a presença da terceira também não é absurdo. Confira a classificação da etapa:

1. Barriga de Lauro Jardim provoca admissão de erro do Globo na primeira página – 40 votos (34% do total)

2. Merval prevê “caminho livre”para golpe e STF, SQN – 31 (26%)

3. Bill Gates processa a Petrobras (Vários) – 17 (14%)

4. Globo confunde Merval com FHC – 15 (13%)

5. Folha republica barriga da Veja sobre filho de Lula – 15 (13%)

Foram computados 118 votos.

Mesmo que não vença a competição, Lauro Jardim merece, desde já, menção honrosa por estabelecer um recorde: é o primeiro coleguinha a ter duas cascatas na final por dois veículos diferentes, Veja e O Globo (a outra foi a da conta do Romário na Suíça).

A finalíssima, com nada menos do que 25 concorrentes de alto (ou baixo, aí depende de você) nível será realizada durante a semana que vem. Fique atento/a!

Conta de Romário (Veja) e vida sexual de Dilma (Época) vão à final do King of the King-2015

Os eleitores não tiveram dúvidas e sufragaram as cascatas da Veja sobre a conta de Romário na Suíça e da Época sobre a vida sexual da presidente da República como as vencedoras da sexta seletiva para a finalíssima do King of the Kings-2015. A grande final está marcada para janeiro de 2016 e, ainda faltando quatro meses para o fim do ano, já conta com 20 fortíssimas candidatas (veja aí ao lado). Abaixo o resultado, após o cômputo dos 137 votos:

1. Romário tem conta escondida em banco suíço (Veja) – 47 votos (34% do total).

2. Época diz que problemas políticos de Dilma se devem à falta de sexo – 44 (32%)

3. Lula é dono de tríplex no Guarujá dado por empreiteira da Lava-Jato (O Globo) – 19 (14%)

4.Veja enxerga atentado em explosão de fogão na PF de Curitiba – 10 (7%)
Itamaraty propõe burlar a lei para proteger Lula (O Globo) – 10 (7%)

5. Estado de São Paulo “acusa” Camargo Corrêa de ter doado R$ 3 milhões ao Instituto Lula – 7 (5%)

A cascata “Lula é dono de tríplex no Guarujá dado por empreiteira da Lava-Jato “, do O Globo (que lançou o conceito de “apuração por vizinhança”) voltará na próxima seletiva. Já as outras três, que não haviam logrado classificação na quinta seletiva, estão eliminadas.

O Eco e a entortada do Baixinho na Veja

Tabelas montadas, gráficos desenhados, texto já na cabeça, quase tudo pronto para voltar aos meus numerozinhos queridos, mas eis que o Romário faz com a Veja o que fizera em campo com o simpático e esforçado volante Amaral, em 99, e – a sincronicidade não pode mesmo ser descartada totalmente – ainda leio o seguinte trecho no mesmo dia:

“(…) Agora, o que tem de eficaz esse desmentido do desmentido? Um, anotação que o jornal fez daquilo que foi escrito por fontes próximas ao senhor Desmentino. Isso sempre funciona, não se diz quais são as fontes, mas se sugere que o jornal tem fontes confidenciais, talvez mais confiáveis que Desmentino. Depois se recorre ao caderno do jornalista [N.da C.: substitua por gravador]. Esse caderno ninguém vai ver, mas a ideia de uma transcrição ao vivo infunde confiança no jornal, faz acreditar que existem documentos. Por fim, repetem-se insinuações que por si sós não dizem nada, mas lançam uma sombra de suspeita sobre Desmentino. Agora, não estou dizendo que os desmentidos devem ser desse tipo, aqui estamos numa paródia, mas guardem bem os três elementos fundamentais para um desmentido do desmentido: testemunhos ouvidos, anotações no caderno e incertezas várias quanto à confiabilidade do desmentidor. A insinuação eficaz é a que relata fatos sem valor em si, mas que não podem ser desmentidos porque são verdadeiros.”

Essa descrição de um “desmentido de um desmentido” está em “Número Zero”, livro de Umberto Eco lançado este ano no Brasil, um verdadeiro catálogo do que de pior pode ser praticado por um veículo de comunicação e um jornalista – e, por isso, leitura essencial para quem não é (ou ainda não é) jornalista (para nós, profissionais, vale para lembrar os truques para aqueles que não os praticam). Leia a resposta de um dos redatores-chefes da Veja no blog de sua coluna ao desmentido do agora senador:

veja vai pra cima de romário

Parece até que compulsou o livro do Eco, não é?

O problema é que a Veja tinha pela frente Romário e ele fez a revista dos Civita e os coleguinhas pagos por ela viverem seus dias de Amaral:

O Baixinho foi à Suíça pegar o dinheiro que a Veja disse que ele que tinha lá…

 

romario na suiça_2

…mas achou nada…

 

romario entorta a Veja

…e entortou os coleguinhas que perpetraram a matéria. Eles tiraram o time de campo.

Assim, o cada vez mais provável futuro prefeito do Rio ensinou como se deve enfrentar maus jornalistas e veículos de comunicação desonestos. #ficaadica.

Então vamos ao escândalo Fifa/CBF/Globo…

Acho que não tem jeito… Vou ter que interromper minhas queridas numeralhas para falar do escândalo no futebol, certo? (Suspiro…) Para começar, é bom dar uma uma olhada para trás. Leu (ou já sabia)? Então, vamos lá:

1.  Marcelo Campos Pinto: É o cara. Se você não é (muito) ligado em esporte pode não conhecê-lo, mas o diretor geral da Globo Esportes é a personalidade mais poderosa do ramo no Brasil, principalmente no que concerne ao futebol (mas não só). Em se tratando de CBF, ele manda prender, manda soltar, casa e batiza – nada do que se decide na entidade, seja em termos de seleção, seja, especialmente, em termos de competições nacionais (incluindo a Copa do Brasil, que aparece no relatório do governo dos EUA), é implementado se não levar o seu sinete. E isso há anos. Qualquer investigação minimamente séria sobre os escândalos que envolvem a Fifa e a CBF – de cujos dirigentes é unha-e-carne – pode deixar de ir em cima dele. Necessariamente deverá ser ouvido pela CPI e pela PF, a qual, possivelmente, com o avançar das investigações, terá que pedir a quebra dos sigilos fiscal, bancário e telefônico dessa figura.

2.  J.Hawilla: É o personagem principal da trama até agora. Se Campos Pinto leva o escândalo para o coração da operação de esportes da Estrela da Morte, Hawilla atinge diretamente a família Marinho. Como já é notório, ele é sócio de Paulo Daudt Marinho, filho de João Roberto Marinho, na TV São José do Rio Preto, e o próprio JRM é sócio dos filhos de JH, Renata e Stefano , na TV Aliança Paulista, de Sorocaba, ambas componentes da rede da TV TEM, de Hawilla. Este disse que não fez nenhum acordo de delação premiada com a Justiça dos EUA – traduzindo: poderá vir a fazer, lá ou aqui, dependendo das circunstâncias. Estas podem mudar não só pela ameaça de prisão, mas também por ordem pessoal – talvez Hawilla, que estaria lutando contra um câncer na garganta, não queira deixar como legado para seus filhos e netos a mancha de um escândalo de corrupção internacional ligado ao nome da família.

3.  Família Marinho/Grupo Globo: Estão com um problemão nas mãos, que pode ser dividido em três partes:

a. Política: Como visto, não dá para esconder as ligações das Organizações Globo com J.Hawilla apontadas acima. Como se tem insistido que Dilmão deveria saber o que ocorria no quinto ou sexto escalão do governo, não se pode agora dizer que João Roberto Marinho não tinha conhecimento do que fazia o sócio de seu filho e pai de dois de seus próprios sócios – ainda mais, que vamos convir, os mais jovens foram mesmo é usados como testas-de-ferro para os papais driblarem restrições legais à posse das emissoras de TV no interior de São Paulo. Raciocínio semelhante vale para o caso de Marcelo Campos Pinto – se o homem forte da Globo Esporte, postado no escalão imediatamente abaixo dos Irmãos Marinho, especialmente de Roberto Irineu, responsável pela TV, cometeu maus feitos, como se poderá acreditar que o fez sem, pelo menos, conhecimento dos chefes? “Amplo domínio dos fatos” não pode valer só para um lado.

b.Policial: Diante do quadro acima, já andam dizendo que os Marinho querem demitir Campos Pinto  e este, óbvio, ameaçou botar a boca no mundo. Se o fizer…

c.Corporativa: A investigação certamente vai enfraquecer a capacidade da Globo de vencer as futuras concorrências por direitos esportivos. Os concorrentes poderão exigir que o sistema de escolha seja na base do envelope fechado ou do leilão por viva-voz, como deve ser em qualquer concorrência decente. Se um desses sistemas tivesse sido usado em disputas anteriores, em algumas a Globo não teria vencido, como ocorreu na ocasião da concorrência pela exibição dos Jogos Olímpicos de Londres, ganha pela Record.

Ainda nesse campo, a concorrência poderia tomar outras providências, que avento mais abaixo.

4. Ricardo Teixeira: Não posso fazer melhor do que o Luiz Carlos Azenha para explicar a importância deste conhecido personagem nesse imbroglio.

5. Romário: O Baixinho vai responder rapidamente uma pergunta fundamental: avaliou bem onde se meteu ao correr para criar a CPI da CBF no Senado? É que se levar a CPI a sério, vai, fatalmente, chocar-se com a Rede Globo, o que não fará nada bem a sua candidatura à prefeitura do Rio em 2016 (e a suas aspirações políticas em geral), que também será prejudicada se for leniente na apuração, pois mostrará que de cruzado moralizador e “coisa nova na política” não terá nada.

6. Polícia Federal: Com as investigações de nomes bacaninhas acabou ganhando o respeito de muitos brasileiros. No entanto, nos últimos tempos, mais precisamente depois dos escândalos do HSBC (aliás, que fim levou?) e Carf (que iniciou, com o nome de Operação Zelotes, mas não aprofundou), alguns começaram a se perguntar se a capacidade investigativa da PF não funciona apenas contra os políticos, mais especificamente de um determinado lado do espectro ideológico. Tem uma chance de ouro de demonstrar que quem pensa assim está errado/a, mas, para isso vai ter que contrariar amigos e benfeitores antigos.

7. Ministério Público: Da mesma maneira que a PF, age rápido quando as suspeitas são contra determinadas pessoas e instituições de determinada tendência política e é muito lerdo – chegando à inércia – quando o caso afeta “cidadãos acima de quaisquer suspeitas”, definição que abrange empresários poderosos e amigos ou políticos apoiados por estes (casos HSBC e do Carf também podem ser lembrados aqui). Também tem a oportunidade de mostrar que pode ser ágil em qualquer situação – o seu caso tem um agravante em relação à PF: a atuação do MP brasileiro será inevitavelmente comparada com a da equipe comandada por Mrs. Loretta Lynch. Por enquanto, os procuradores estão quietos, algo estranho pois sempre estão entre os primeiros a pular para frente dos holofotes em casos de repercussão como este.

8. Concorrência: Se algum dia houve uma oportunidade da concorrência quebrar o monopólio da Globo nas transmissões esportivas, principalmente no futebol, é esta. Não só o Darth Vader esportivo está sob ataque, como a própria Estrela da Morte encontra-se enfraquecida em si, bem como estão alguns de seus principais parceiros. A concorrência (leia-se ESPN, Fox e TBS/Esporte Interativo) pode agir por três lados:

a.Jornalístico: Usando suas equipes para cobrir com afinco e profundamente o caso. Há gente competente e motivada em número suficiente para fazer bom trabalho investigativo e criar ainda mais embaraços por aqui, sem contar, claro, a cobertura lá nos EUA, pois, afinal, todas são norte-americanas. Por enquanto, só a ESPN tem corrido atrás com um pouco mais de vigor.

b.Legal: O fato de todas serem norte-americanas abre outro possível flanco de ataque. Dentre o monte de leis imperialistas que os EUA possuem, deve ter alguma que diz que empresas estadunidenses prejudicadas em seus negócios por atos de corrupção perpetrados por concorrentes podem processá-las por lá. Se resolverem botar aqueles advogados formados em Harvard, Yale e Stanford para processar a Globo em solo americano, só as despesas legais serão um abalo considerável para as finanças dos Marinho.

c.Inteligência: Se pode contratar advogados e botar os coleguinhas para apurar, a concorrência também pode contratar empresas internacionais de investigação tipo Kroll, Pinkerton e outras para correr atrás em paralelo ao FBI. Talvez seja exagero, mas pode ser que, na avaliação das matrizes da ESPN, TBS e Fox, o mercado do futebol brasileiro valha o investimento.

9. Governo: Já mandou investigar, mas dado que a PF tem notórias e históricas relações amistosas com a CBF, o ministro José Eduardo Cardozo terá que vigiar de perto – e, talvez, até chutar alguns traseiros – para o pessoal trabalhar direito. E é bom que o ministro da Justiça faça isso porque, como no caso do MP, também terá seu trabalho comparado ao de Mrs. Lynch, para quem, como já se viu, do pescoço para cima, tudo é canela. Agora, tem que ver primeiro se o governo vai querer mesmo correr atrás. A dúvida vem do fato de que este governo (assim como seu antecessor) sempre tratou os “barões da mídia” com luvas de pelica e rapapés, apesar de estes devolverem as gentilezas com mordidas, pontapés e cusparadas.

10. Veículos de comunicação: Vamos ver se os veículos vão seguir o antigo preceito do baronato midiático segundo o qual barão não pode falar mal de barão. A dúvida vale, principalmente, para Estadão, Folha e IstoÉ, já que Globo e Época, por motivos óbvios, e Veja, por questões de estratégia política, vão seguir o mandamento ao pé da letra.

11. Coleguinhas: Situação difícil. Os que trabalham na Rede Globo, principalmente no esporte, ficarão de crista baixa (o resto que labuta no Grupo também, mas menos), pois não deve ser fácil manter a cabeça erguida ganhando o pão numa empresa suspeita de corrupção (talvez possam pegar umas lições com a galera da Petrobras, mas acho que o pessoal não vai querer muita conversa). E precisar falar sobre o caso fingindo que não têm nada com ele não vai ajudar nem um pouco a elevar o moral. Já os coleguinhas da concorrência poderão curtir a desgraça alheia (uma das grandes felicidades humanas), se estão de longe, mas o pessoal do Esporte ficará com um pé atrás – afinal, emprego não está fácil e a Globo ainda será parte importante do mercado por um longo tempo.

Atenção, peixes da política! Tem artilheiro na área!

Esqueçam Dilma, Aécio, Marina, Garotinho, Pimentel, Alckmin, Rui Costa… O grande vencedor dessa eleição é Romário de Souza Faria. Ele mesmo, o Baixinho, o “gênio da grande área”, como o definiu o grande Johann Cruyff, holandês sempre insuspeito de gostar de brasileiros. Segundo resultados de boca de urna, o Peixe terá inacreditáveis 62% dos votos para senador no Rio de Janeiro. Deve ter sido a maior votação proporcional para o cargo de toda a história do Estado e uma das maiores do Brasil em todos os tempos – afinal, seriam quase 2 de cada 3 votos digitados na urna eletrônica.

Há quatro anos, numa aula de pilates, logo depois de Romário ter sido eleito deputado, disse que meus colegas não se enganassem: ele seria um parlamentar muito bom. A base do raciocínio era simples – o Baixinho fez sua vida profissional num meio habitado por uma corja de fazer o Congresso Nacional parecer um convento. Boa parte de dirigentes, treinadores, empresários e jogadores (e mesmo alguns coleguinhas) são uma ótima amostragem do que de pior a sociedade brasileira pode produzir. Romário passou por eles, gingando, driblando, e mantendo a integridade. Podemos não concordar com ele no que acredita (defender a redução a maioridade penal, por exemplo), mas não dá para dizer que ele seja um escroque. Como ele sempre disse, fraqueza mesmo só tem uma: mulher.

Mas isso nem é o mais importante no que se refere ao futuro político dele. Muito mais é o fato de que, aconteça o que acontecer, o PSB vai sair desta eleição em estado de coma, se der sorte (já falei sobre isso aqui ). Destroçado pela morte de Eduardo Campos e pelo furacão Marina, o partido não tem, a bem dizer, um futuro. Não apresnenta mais liderança nacional e o seu projeto político – se é que tinha um – virou pano de chão para os marinheiros. Em quem, ou no quê, o partido se agarrará? Não vai ser num Rodrigo Rollemberg, que pode ganhar a governança do Distrito Federal, mas não passa de um político de província. Alguém o vê fazendo sombra no partido ao senador mais votado proporcionalmente do país e comandante da conquista do tetra?

Claro que a trajetória de Romário não é isenta de perigos. Deverá que continuar levando sua carreira como vem fazendo até aqui, construindo pontes e mantendo a sua habilidade de falar sempre o “papo reto” com a galera. A seu favor, agora, terá oito anos de mandato, podendo até escolher testar sua força eleitoral na disputa de um majoritário executivo em 2016 ou 2018. A bola está rolando macia e o goleiro já deu a pinta para onde vai cair – e o Baixinho, normalmente, não perdia um gols desses.

Valeu, Peixe!

Ahahaha! Romário elegeu-se, arrebentado nos votos! Ué, estranhou a minha alegria? É que eu gosto do Peixe. Ele é muito inteligente e esperto e, dependendo da assessoria, pode ser um bom deputado. Claro que não vai aparecer muito em BSB, mas e daí? Se fizer um bom trabalho em prol do esporte na sua base eleitoral, o Rio, terá valido a pena.