O JB voltou às bancas. E agora?

Ói eu aqui traveiz!

O Jornal do Brasil voltou a circular em bancas, algo que não acontecia desde 2010. Notícia que aquece o coração de muita gente (inclusive o meu), sensação que, porém, vem com uma pergunta: “vai dar certo?”.

Bem, depende do que se chama “dar certo”. Se assim se considerar, por exemplo, fazer concorrência a O Globo, não. A começar do fato de que é impresso nas oficinas e distribuído pelos caminhões do Infoglobo, observa-se, com clareza, que o “novo” Jornal do Brasil fará ainda menos sombra à folha dos Marinho do que aquele que deixou de circular há oito anos. Outro ponto é que Omar Resende Peres – o sublicenciado da marca, pois o licenciado continua sendo Nelson Tanure -, embora se apresente como “brizolista”, possui ótimas relações com os Marinho, tendo até sido concessionário da afiliada da Globo em Juiz de Fora.

Em termos de pluralidade, há possibilidade razoável de que haja maior diversidade de opiniões do que no Globo (algo que, vamos admitir, não é muito difícil), embora dentro de um espectro ideológico que poderíamos definir como de centro liberal, bem longe de qualquer radicalidade, concebendo-se este termo como combate sem tréguas a evidentes males do Brasil, como a desigualdade de renda e oportunidades. O fato de Resende Peres ter, além daquele bom trânsito com os Marinho, relações ao que parece mais do que cordiais com Nélson Tanure também concorre para que haja dúvidas a respeito da disposição do JB de ser um jornal realmente “independente de setores da economia” como afirma o editorial da sua edição de retorno.

Uma questão que tem chamado a atenção é a decisão de Omar Resende Peres de investir na venda em bancas, desdenhando até das assinaturas. É um plano de negócios estranho, mesmo partindo da ideia de que a gráfica e a distribuição são terceirizadas por um valor pequeno – afinal, deverá aproveitar a grande capacidade ociosa do Globo, que cometeu o incrível erro de fazer um enorme parque gráfico quando já estava claro que jornal impresso é coisa do passado, com sobrevida de não mais do que 15 anos. É certo que outro custo importante – o de mão de obra – também não será muito alto pela opção de investir em um grupo pequeno de veteranos há anos fora das redações. O salário de um profissional com este perfil tende a não ser tão alto quanto de um experiente, mas no auge de sua capacidade produtiva, embora mais elevado do que de um novato. Ainda assim, apoiar-se apenas na venda em banca, especialmente no momento econômico deprimido pelo que passa o Brasil e, mais ainda o Rio, é muito arriscado.

A idade média alta do grupo de jornalistas da nova redação também prejudica a perspectiva de que o jornal avance de forma consistente em plataformas digitais, algo fundamental para que se projete no futuro. Desse lado, o que me parece mais promissor é a JB-TV, que Omar Resende Peres menciona em sua entrevista à coluna “Mercado Aberto”, da Folha, citada no parágrafo acima. Tocada por jovens, a iniciativa pode ser a base para o futuro da marca, mas, infelizmente, segundo o próprio empresário, “não tem nada a ver com o jornal impresso”.

Enfim, embora saudando o retorno do JB às bancas, não tenho lá grandes esperanças de que o jornalismo a ser praticado pelo redivivo “diário da Condessa”, embora de bom nível, sirva para mais do que matar a nostalgia de gente já entrada em anos como eu.

A volta e a volta do JB

Não sou lá muito esperto e não há muito o que eu possa fazer diante dessa predisposição genética, ainda mais agora que estou idoso. Assim, não cheguei a me surpreender por não ter entendido quando, há mais ou menos um mês, Osmar Resende Peres Filho adquiriu o título o Jornal do Brasil, que pertencia a Nelson Tanure desde 2000, e, no embalo, anunciou que ele voltaria às bancas, deixando de ser apenas digital, como ocorre desde 2010.

A minha incompreensão nem era tanto por Catito, como é conhecido, ir contra a corrente e voltar ao mundo impresso quando, dizem os sábios, o caminho rumo ao digital é inexorável. Afinal, se você organizar a coisa direito, o digital amplia o alcance do impresso, que nem precisa ter uma tiragem enorme para atingir um público grande. O problema era o porquê um cara do ramo de restaurantes (Fiorentina e Bar Lagoa, no Rio, Piantella, em BSB) iria voltar ao jornalismo com uma operação tão arriscada. Sim, voltar porque Resende Peres Filho já foi dono da TV Panorama, afiliada da Globo em Juiz de Fora, onde possuía a rádio do mesmo nome, e ainda tivera uma passagem-relâmpago pelo Jornal do Sports (mas não rápida o suficiente para evitar ser processado na Justiça do Trabalho).

Ainda bem, porém, que há gente realmente esperta nesse mundo. Sobraram até algumas no jornalismo, como é o caso de Consuelo Diegues, da Piauí. Um tempo para você ler a matéria assinada por ela, que nem é extensa, para os padrões da revista do João Moreira Salles. 1, 2, 3…..

Leu? Então sacou, como eu, é que o “revival” do ex-“jornal da Condessa” às bancas é, na verdade, uma volta do Tanure na Anatel, jogada para poder sentar à mesa de controle da Oi. Um lugar bem amplo, pois, diferente do que está na matéria da Consuelo, Tanure não seria mais dono de apenas 7% das ações de tele, mas de algo entre 22% e 25%, contando suas participações em outras fontes, também acionistas da companhia.

“Ok, mas por que raios o Tanure quer tanto ser influente numa empresa que deve R$ 65 bilhões a mais de 60 mil pessoas físicas e jurídicas?”, perguntará você, com toda a razão. A explicação para o aparente contrassenso está no PLC 79/2016, aquele que, dizem muitos, daria de presente R$ 100 bilhões em bens de telecomunicação da União às teles. Estes seriam bens que retornariam à União em 2025, para a realização de novo leilão. Há dúvidas bem razoáveis de que o valor desses bens seja mesmo de R$ 100 bi – as teles dizem que é de algo em torno de R$ 20 bilhões. O projeto de lei já tinha sido aprovado no Congresso e esperava apenas a sanção de #foraTemer quando foi paralisado por um liminar e retornou ao Senado, cujo então presidente, Renan Calheiros, bateu o pé e diz que agora só entraria em pauta quando o STF definir-se sobre o mérito da ação proposta pela oposição contra o PLC, o que não tem data para acontecer.

Enrolado, né? Mas nada que assuste Tanure (ou Catito), gente muito bem relacionada que conhece bem os bastidores da política (Resende Peres Filho foi secretário de Indústria e Comércio na gestão de Itamar Franco em Minas e candidato ao Senado pelo PDT, em 2006). Tanure aposta que, uma hora, a Oi vai dar um tremendo retorno, mesmo sem o PLC – a companhia é peça-chave nas telecomunicações do país, “grande demais para quebrar”, e, assim, mais dia, menos dia, o governo terá que ajudá-la a sair do buraco, o que a valorizaria. Aposta arriscada, claro, mas os ganhos compensam os riscos, na avaliação dos jogadores.

Como se vê, o JB velho de guerra é apenas uma peça, e não tão importante assim, num jogo muito, muito maior, que nada tem a ver com jornalismo.