Os deputados e os veículos de comunicação – VI (Redes Sociais-1)

A análise da pesquisa da FSB sobre o consumo de mídia dos deputados federais, no que se refere às redes sociais, será dividida em três colunas devido à sua extensão. Nesta semana, falo sobre a presença dos políticos nas redes sociais e seu uso como forma de acesso às notícias – na semana que vem, o foco ficará na interação, e, por fim, na influência das redes no comportamento de suas excelências.

Antes de começar, uma palinha sobre a metodologia:

1. O universo abrange apenas os deputados federais.

2. Foram ouvidos 230 parlamentares de 26 partidos, nos dias 8 e 9 de março.

3. A escolha foi aleatória, mas observou-se a proporcionalidade das bancadas.

4.Partidos com apenas um representante não fazem parte da amostra por permitirem a identificação dos respondentes.

5.Para 2016, as respostas alcançam apenas o primeiro trimestre.

6.Só duas redes sociais foram enfocadas – Facebook e Twitter.

 

Então, vamos lá:

 

20161211_relatorio_midia_e_politica_fsb_2016_facebook_wp

20161211_relatorio_midia_e_politica_fsb_2016_twitter_wp

 

Análise

1. O Facebook bate com facilidade o Twitter como fonte de informação entre os deputados – 11 pontos percentuais a mais (55% x 44%).

2. Os deputados também estão muito mais presentes na rede de Zuck no que na do pássaro azul: 7% dos parlamentares não possuem perfis no Twitter contra apenas 3% dos que não os possuem no FB, mas do dobro.

3. A análise por faixa etária é mais informativa e necessitará de uma tabela para ser mais bem visualizada. Lá vai:
20161211_tabela-faixa-etaria-redes
a. Algo surpreendentemente, a faixa etária entre 41 e 50 anos mais as redes como fonte de informação do que a que vai até 40 anos. No Facebook, os mais velhos têm 73% fazem uso da rede para informar-se, contra 47% dos imediatamente mais novos, que, na verdade, são a faixa que menos usa a esta rede social pata o fim. No Twitter, a situação se repete, com exceção que a faixa até 40 anos apresenta 1 ponto percentual de vantagem sobre a mais velha (acima de 61).

b. A mesma constatação pode ser feita quando se olha pelo lado da ausência de perfis. No Facebook, a faixa mais nova do levantamento apresenta 7% de ausência contra 0% das duas faixas imediatamente mais velhas e no nível da mais idosa. No Twitter, a situação é um tanto diferente: as faixas até 40 e entre 41 e 50 possuem um nível de ausência semelhante (embora a mais nova ainda seja a mais ausente), contra 0% da faixa 51-60 e 14% da mais velha.

c. Dessa forma, pelos dados obtidos pela FSB, a faixaque mais busca informações por meio das principais redes sociais é que vai dos 41 aos 50 anos, na qual todos os respondentes possuem contas no Facebook e as usam para obter notícias. Mesmo tendo uma ausência de 9% no Twitter, esta faixa etária ainda apresenta um alto índice de uso, com 63% dos deputados procurando informações por ela.

d. Observa-se também que a faixa de 41 a 50 anos também é a única em que o uso das redes como fonte de informação supera, por ampla margem os 50%, tanto no Facebook quanto no Twitter, sendo que, nesta rede, é a única a fazê-lo.

Anúncios