Circulação da IstoÉ mantém o padrão das revistas e também cai

Enfim, chegamos, com inegável atraso, ao fim da retrospectiva 2015 dos dados sobre circulação dos principais veículos impressos do Bananão. Por último, ficou a IstoÉ. Um pouco por ter sido a última, a semanal de informação geral da Editoria Três terá um comentário bem curto, apenas umas linhas sobre o gráfico e a tabela abaixo.

20160508_istoe_tabela-grafico_jan-2014_dez-2015

Não há mesmo muito o que comentar, não é? O gráfico fala por si – como suas concorrentes Veja e Época, a IstoÉ sofreu queda significativa em sua circulação: – 5,25%, nível semelhante ao da edição impressa da Veja (-5,57%), mas bem inferior ao da Época (-8,45%). Uma inversão curiosa aconteceu com a IstoÉ e em relação à Veja. Esta teve uma queda menor no subperíodo janeiro-dezembro de 2014 (-0,84%) e maior no subperíodo seguinte (-4,59%), enquanto a semanal da Três teve redução de circulação maior no em 2014 (-4,24%) e menor em 2015 (-0,79%). Nos dois períodos, a Época manteve uma queda forte: – 4,59% (2014) e -3,97% (2015).

A situação futura da IstoÉ, porém, apresenta-se mais vulnerável do que as suas concorrentes. Diferente destas, ela não apresenta uma edição digital. Se isto significa que seu desempenho global foi melhor do que Veja e Época nos dois anos passados, aponta, porém, que as mudanças estruturais a que o mercado de revistas vem passando nos últimos anos podem atingi-la com mais força do que às outras duas.

Bem, antes de finalizar, uma palavrinha sobre a Carta Capital. Esta semanal não entra nos meus cômputos porque sua circulação é muitíssimo inferior a qualquer uma das outras três, girando por volta de 20.500 exemplares. Dessa forma, seu peso dentro do mercado é quase insignificante, não valendo a pena computá-la.

#aGlobodeveserdestruida

Anúncios

2 comentários sobre “Circulação da IstoÉ mantém o padrão das revistas e também cai

  1. Bem feito

  2. Talvez nem o governo Temer salve a Istoé. Ainda tem Veja, Globo, Época, Folha e Estadão para acessar o erário. Eu acho que este governo que vai começar não vai despejar tantos recursos na revista mais frágil das três. Ele vai preferir concentrar recursos na TV e nos outros veículos impressos.

Os comentários estão desativados.