E aí, ICIJ?

O Brasil tem cinco jornalistas integrando o ICIJ (International Consortium of Investigative Journalists) – o nome deles aqui – aquele grupo de jornalistas investigativos que publicou a lista dos miliardários que usavam (usam?) o HSBC para desviar dinheiro para a Suíça a fim de livrar-se de impostos – nos casos bons, porque tinha muito corrupto e bandido no rol – em matérias que você pode ler aqui.

Perguntas bestas: os coleguinhas brasileiros têm acesso à lista dos patrícios malandros? Em caso positivo, pretendem publicá-la? Quando? Se não pretendem, por quê? Se não têm a lista, por quê ? São jornalistas investigativos de Segunda Divisão?

Enquanto esperamos as respostas, que tal passar o tempo lendo a matéria do Opera Mundi com Gabriel Zucman, colaborador de Thomas Piketty, e especialista em evasão fiscal? Ele calcula que, a cada ano, cerca de U$ 200 bilhões são desviados para paraísos fiscais. E, como as respostas dos coleguinhas talvez demorem muito, também pode dar tempo de ler as explicações de Peter Oborne sobre os motivos que o levaram a demissão de um belo cargo no Telegraph, cuja cobertura do caso foi influenciada pelo HSBC, um grande anunciante do jornal (a tradução é meio caída, mas ainda assim vale a leitura).

8 comentários sobre “E aí, ICIJ?

  1. Você leu o texto do Amaury? Na transcrição dos e-mails, a diretora do ICIJ diz que só deu a lista pro Fernando Rodrigues, que confia no trabalho dele e do UOL e que não vai liberar pra mais ninguém. Achei ( pelo conteúdo mostrado na transcrição ) que o Amaury foi bem pouco eficiente, buscando o confronto e atacando o UOL, em vez de tentar mostrar que mais jornalistas deveriam ter acesso ao material. Jogou pra arquibancada. Mas é só a minha impressão.

    • Não vi, Marcos, só ouvi falar. Não me admiraria se sua impressão estiver correta, pois o coleguinha citado é mesmo de firular. O que me parece mais interessante é que a ICIJ ainda confie no Fernando Rodrigues, mesmo tanto tempo passado desde a divulgação do escândalo sem que ele tenha publicado nada.

        • Como diz o Azenha, não chega a ser exatamente uma surpresa que os barões não publiquem o nome do ninguém, não é mesmo? No entanto, continua sendo muito estranho o silêncio do ICIJ, que deveria pressionar o Fernando Rodrigues para que ele divulgasse a lista toda e, não havendo tal divulgação, abrir a lista em seu site, para todos e qualquer ter acesso. Do jeito que está, vamos ter que esperar algum coleguinha estrangeiro, quando não estiver sem pauta, divulgá-la. Agora, como diz o Baccaro, podemos ter quase certeza de que não tem ninguém do PT. Se tivesse, pelo menos esses já teriam saído nas manchetes.

  2. Pensei em duas teses conspiratórias: 1) ele já sabia que a resposta seria não e jogou pra plateia em função disso 2) ele forçou a jogada pra plateia pra tomar um não e evitar se tornar suspeito quando a lista vazar.

  3. Vocês estão brincando? TODOS os “investigativos” são ligados aos grandes grupos de imprensa do Brasil.
    Está na cara porque os pilantras sonegadores vão continuar sendo protegidos. Ainda mais porque parece que o nome do Lula não aparece lá, como gostariam e não confessam.
    Vão proteger anunciantes e demais pilantras!

    • O cara é bom, hein? Ele tem os nomes, os meios de checar quem é quem e fez o quê (10 repórteres ligando para 20 pessoas por dia resolveriam o caso em 33 dias) e a tranquilidade para fazê-lo, pois não há risco de ser furado, mas…a culpa de a alista estar guardada a sete chaves é do governo! Sensacional! 🙂
      Sem contar que, para mim, quem tem conta secreta na Suíça não é porque quer ter dinheiro à mão para pagar a coca-cola na estação de esqui. Ou é porque é bandido, ou é porque é sonegador. Ou seja, tem interesse para mim, que sou o público esbulhado de uma forma ou de outra.

Os comentários estão desativados.