O jogo de domingo

O nome é bacana – “conflito distributivo” -, mas o popular povo resume um monte de teoria a respeito do fenômeno a uma frase: “farinha pouca, meu pirão primeiro”. Esse é o verdadeiro embate que está sendo travado na disputa pelo Palácio do Planalto e que definirá o que vai ser do Brasil nos próximos anos – e não apenas quatro não, mas por uma década, pelo menos.

Como você deve recordar, há pouco mais de uma década o Brasil estava na pindaíba. Recém-saído de duas quebras financeiras (97 e 98), quase sem dinheiro em caixa e de tendo passado por um racionamento de energia real, causado pela obsessão dos tucanos em privatizar tudo, até as obrigações inerentes aos governos, o futuro do país não parecia lá muito brilhante. Jogamos esse abacaxi no colo do Nove-Dedos e, para surpresa de um monte de gente (inclusive da boa parte de seus eleitores), ele saiu-se melhor do que a encomenda: não só tirou o país do atoleiro que FHC nos tinha enfiado, como ainda consertou o carro, botou-o numa pista limpa e pisou no acelerador.

A maior parte do mérito é dele, sem dúvida, mas a conjuntura internacional ajudou (também ajudava o FHC, mas esse não tinha a competência do torneiro mecânico). O mundo crescia bem e, parecia, de maneira consistente, especialmente a China. Como sempre acontece no capitalismo, porém, essa boa fase desapareceu de repente (ou nem tanto, pois alguns estudiosos, nenhum deles daquelas suspeitíssimas agências de avaliação de risco, já previam que ela estava acabando), em 2008. N-D e seu pessoal ainda deu um jeito de manter o carro em boa velocidade, mesmo com a estrada mais parecendo a superfície lunar de tanto buraco.

Assim, nessa época, e até 2011, estava todo mundo feliz – os ricos ficando mais ricos e o pobres, menos pobres. De três anos para cá, porém, o carro começou a engasgar. O mundo, ao contrário do que juravam o FMI, os dirigentes políticos do Primeiro Mundo e a The Economist, não melhorou devido à austeridade imposta aos europeus (aos norte-americanos não). Ao contrário, a crise parece ter fincado raízes tão profundas que, além de atingir a China, praticamente garantiu que essa década de 10 do Século XXI será completamente perdida.

O Brasil, obviamente, como não é a “ilha de tranquilidade” que apregoavam os militares na época das crises do petróleo dos anos 70, também sentiu o baque. Só que aqui, ao contrário da Europa, nunca houve “estado do bem-estar” para, mesmo em decadência, garantir uma rede social minimamente decente (saúde, educação, transporte público). O resultado foram as tais Jornadas de Junho, que juntaram os insatisfeitos de todos os matizes e pontos cardeais. As manifestações deram em nada, até porque eram politicamente amorfas, mas deixaram claro que uma parte dos brasileiros sentia os efeitos do sumiço da grana fácil, que vinha por meio do nível de emprego em alta, da elevação dos salários e do incentivo ao consumo. A vida ficava, se não tão difícil quanto era nos anos 80 e 90, menos fácil do fora após 2003, e a galera não gostou disso.

O problema é que, como escrevi mais acima, esse quadro não vai mudar muito nos próximos anos. O dinheiro encurtou e uns bons sete ou oito anos, pelo menos, se passarão até que a situação melhore. Assim, quem ficará com a maior parte desse dinheiro curto? Que grupos sociais vão, como dizem os cientistas políticos e economistas, apropriar-se da riqueza que ainda resta?

Esse é o ponto que está sendo discutido por Dilma e Aécio, por detrás dos xingamentos. A primeira defende que a maior parte da grana seja distribuída entre os mais pobres, por meio dos programas sociais e de investimentos em educação técnica e superior. O segundo deseja que o dimdim fique com o mercado financeiro (daí a defesa do Banco Central independente – do governo, obviamente, não do mercado), as oligarquias (como as que dominam os meios de comunicação) e os estratos da elite brasileira que são capazes de investir alto no mercado financeiro e em imóveis, aqui e lá fora. É o tal “conflito distributivo”.

A definição de quem vai levar a grana acontecerá no dia 26 de outubro. O resto é circo.

Anúncios