Os problemas de Aécio

Aécio está na ascendente, mas tem, ao menos, três problemas de boa monta para resolver em três semanas, dois políticos e um político-matemático:

1. Marina: Obter o apoio de Marina não vai ser tão fácil como pode parecer olhando-se apenas os programas econômicos de ambos, tão parecidos. Se apoiar o mineiro, Osmarina praticamente abdica de qualquer esperança de vitória na corrida presidencial de 2018. É que, com a caneta mão e o apoio maciço do mercado financeiro e dos meios de comunicação, Aécio será um candidato muito difícil de ser batido daqui a quatro anos – o único a fazer-lhe sombra seria o Nove-Dedos. Os “sonháticos”, coitados, não teriam nenhuma chance  em meio a essa polarização.
Para vencer esse problema, o tucano teria que acenar com o compromisso de mandar ao Congresso a proposta de fim da reeleição, com acréscimo de um ano para seu mandato. Assim, Marina poderia ficar mais à vontade de aderir e mesmo participar do governo, pessoalmente ou por meio do seu futuro Rede.

2. PSDB-SP: A proposta de fim da reeleição é também um torrão de açúcar de Aécio para adoçar a boca dos tucanos paulista. No momento, estes não teriam a menor motivação para apoiar o mineiro. Afinal, Alckmin, seria o candidato “pole position” para disputar a Presidência em 2018, caso Aécio perdesse este ano – foi derrotado em casa, de maneira humilhante, e, derrotado também para a Presidência, ficaria sem moral dentro do partido para contrapor-se aos paulistas. Com o fim da reeleição, estes poderiam sentir-se confortáveis para trabalhar por Aécio neste segundo turno, até para solidificar a união.

3. Política+matemática: No momento, Aécio tem de descontar 8,3 milhões de votos. Mantendo-se os níveis de abstenção (19,39%) e brancos e nulos (9,64%), o mineiro teria que receber cerca de 70% dos votos de Marina para virar (contanto que obtivesse também 100% dos votos dados a Pastor Everaldo e Levy Fidelix, e uns 15% dos dirigidos à dupla Luciana Genro/Eduardo Jorge). Não é fácil, mas não é impossível. Para entregar esse resultado, Marina precisará subir em palanque, fazer discurso e demonstrar uma liderança digna de Getúlio Vargas, Brizola e Nove-Dedos, os três caras que, até hoje, conseguiram, comprovadamente, transferir votos no volume necessitado pelo tucano.

Anúncios

2 comentários sobre “Os problemas de Aécio

  1. Mas a Marina nasceu ontem pra acreditar nesse papo de fim de reeleição? Como já dizia um coleguinha veterano de redação, “só é contra o jabá quem tá fora”. Aécio pode até assumir um compromisso formal, registrado em cartório. Pode até apresentar hoje mesmo, como senador que é, uma PEC. Mas daí a mover um dedo para fazer essa emenda passar na Câmara e no Senado com 2/3 dos votos… Depois sempre vai ter aquela desculpa esfarrapada de “eu quis, mas meu partido só tinha 54 deputados”.

    • Sem dúvida, Marcos. Vai ser assim mesmo e a Marina sabe disso. O que ela quer é uma desculpa para aderir e pegar uma carona num futuro governo dele, a fim de organizar o Rede de dentro da estrutura do governoi federal. A genta também não nasceu ontem para acreditar no papo de “nova política”, né? 😉

Os comentários estão desativados.