Cabeça e coração de atleta

Minha sobrinha perdeu as duas lutas que disputou no Brasileiro Sênior de Judô, disputado em Natal. Não gostou, claro, mas não está abalada por que avalia que lutou bem contra adversárias bem mais velhas (ela te 17 anos). Fica mais chateada quando vence e sabe que fez não fez o que melhor que consegue. Cabeça e coração de atleta são assim. É bom os outros brasileiros entenderem isso por que 2016 está pertinho.

Anúncios