Dona Míriam extrapola. De novo.

Pô, Dona Míriam, assim não dá! Tudo tem limite, inclusive manipulação e desinformação. A aprovação do novo marco do setor elétrico aconteceu não por medo de um novo racionamento (algo muito mais grave do que um mero apagão), mas por que aquele, de 2001, tão bem urdido por seus amigos tucanos – por anos, eles o construíram destruindo o planejamento do setor elétrico brasileiro – tinha praticamente quebrado as empresas. Estava todo mundo com o pires na mão (é só lembrar que a norte-americana PPL simplesmente abandonou a Cemar, do Maranhão, e seus executivos fugiram para o país de origem num jatinho) e os tucanos, tendo exata consciência da cagalhopança que tinham feito, não se opuseram à tramitação rápida da lei que mudava o setor.