A nuvem da eleição 2012

Naquela análise sobre a maluquice do N-D ir abraçar o Maluf para ganhar o apoio dele ao Haddad (recorde aqui), eu falava de três possibilidades pós-eleição em Sampa. Diante do fenômeno Russomano, tenho que dar uma atualizada (como dizia o Magalhães Pinto, política é quem nem nuvem: você olha, ela tá de uma maneira; olha de novo, ela já mudou).

1. Haddad não vai nem ao segundo turno e Serra perde pro Russomano: N-D torna-se um paraplégico político e a Dilma vira a única liderança petista de verdade . Só que, como não tem o carisma e o jogo de cintura do velho, provavelmente vai se complicar – ainda assim pilotará uma bela fortaleza voadora em 2014. Aécio voa em céu de brigadeiro entre os tucanos e, dependendo do que acontecer em BH, estará pilotando um caça bem armado daqui a dois anos.

2. Serra não vai nem ao segundo turno e Haddad perde pro Russomano: N-D fica manco, mas ainda pode dar boas bengaladas por aí. Dilma se fortalece, pois poderá contar com ele em 2014. Dependendo de BH, Aécio fica onde está, mas em melhor situação, pois o mala do Serra se despede da vida política sem glória e os tucanos paulistas ficam à mercê do “picolé de chuchu” de triste memória.

3. Haddad vence Russomano: N-D é entronizado como o maior político brasileiro desde o Bacharel de Cananéia.

4. Serra vence Russomano: N-D fica vira tetraplégico político e Dilma vai ter que se virar em 2014 com a sua conhecida falta de habilidade política (e com o PMDB e a Universal!). Em compensação (para ela), o Aécio fica tendo que abater Serra, Alckmin e todos os tucanos paulistas usando apenas o estilingue de BH (e olhe lá).

Ao longe, observando, Eduardo Campos se prepara para concorrer em 2014. Se vencer, legal, mas a ideia mesmo é cacifar-se para o pós-eleição e, principalmente, para 2018.