Jogos Olímpicos: futebol

Ai, meu saco! Vai começar aquela cantilena de “Brasil-fracassa-novamente-na-busca-do-ouro olímpico-no-futebol”, “Neymar-não-joga-nada”, e a “Copa-do Mundo-de-2014-está-perdida”. Até concordo com a última afirmativa, mas não pelo argumento de que se pode comparar o torneio olímpico de futebol é um indicativo para a Copa, pois os dois torneios são de naturezas diferentes e, portanto, com lógicas diferentes.

Não é muito difícil de entender – é só olhar dois pontos óbvios:

1. As seleções: Que seleções representantes das grandes escolas do mundo do futebol estiveram presentes em Londres? Dá para contar nos dedos de uma mão: Brasil, Espanha e Uruguai. E as duas últimas pegaram o voo para casa ao fim da primeira fase. Onde estavam Alemanha, Argentina, França e Itália? Nem a Inglaterra apareceu – montaram um arremedo de seleção do Reino Unido na qual jogou quem não tinha nada melhor para fazer no verão de lá.

2. Os times: Compare as equipes das seleções dos outros dois grandes esportes olímpicos, basquete e o vôlei, que disputaram os últimos mundiais e as que disputam os Jogos. O time de basquete da Espanha que esteve na Turquia, há dois anos, está todo em Londres – os irmãos Gasol, Navarro, Calderón etc entram em quadra amanhã contra os EUA, que trouxeram nada menos de oito dos 12 que foram a Istambul. E o vôlei? Vamos jogar daqui a pouco com os EUA de Hooper, Tom e companhia, de quem apanhamos seguidamente há dois anos nas Ligas Mundiais, mas eliminamos a Rússia e todas as suas “ovas” titulares. No masculino é o mesmo.

E no futebol? No Brasil, de titulares indiscutíveis do time A, havia três na Vila Olímpica – Tiago Silva, Marcelo e Neymar. O mesmo valia para Espanha e Uruguai. Já no México, desses que entraram em campo hoje, 90% jogou a Copa América, disputada ano passado e que fez parte da preparação para os Jogos.

“Quer dizer que não precisamos nos preocupar para 2014?” É, acho que não. Não vamos ganhar mesmo, por isso não vejo motivo para estresse. Por que tanta certeza? Ah, desculpe, mas para responder a isso teria que escrever toda uma nova série e não estou com saco, pelo menos agora. Estou realmente bem mais interessado nos Jogos, esses que terminam amanhã e, principalmente, os do Rio. Pode ser até que fale do futebol no decorrer dessa minha volta ao esporte, mas certamente esse não será um assunto prioritário nos próximos anos.