Ainda a Rio+20

Algumas observações sobre a Rio+20:

1. Países: Um monte reclamou do acordo fechado entre os países, mas, na boa, alguém realmente acreditava que 191 estados, de histórias, tamanhos e culturas diferentes, iriam chegar a algum acerto que não fosse pelo mínimo divisor comum? Só quem veio à conferência pensando criticá-la é que meteu o pau pra valer.

2. ONGs: Os ongueiros estão entre os principais tipos acima (na frente da mídia e dos empresários, esses por oportunismo). Afinal, se os países chegassem a um acordo amplo e, ao mesmo tempo, detalhado, a grana seria direcionada para a execução deles planos e os ongueiros iam viver de quê? Sempre que ouço um ongueiro falando, lembro de que ele tem de pagar supermercado no fim do mês, como todo mundo.

3. Cidades: E o mais interessante é que saiu, sim, um grande acordo nessa Rio+20 – o das cidades. Como dizia o velho Ulysses Guimarães, “o cidadão não vive na União, vive no município”. É na cidade onde tudo se inicia e de onde 0se espalham experiências, modas, tecnologias. Se 50 das maiores cidades do mundo levarem a cabo experiências bem-sucedidas em favor do meio ambiente, isso será de imenso valor, porque poderão ser reproduzidas, com as devidas adaptações, umas pelas outras, e replicadas pelas menores. Obviamente, as ONGs não gostam de enfocar isso porque, com a dispersão dos centros de decisão, de países para cidades, os custos operacionais sobem (mais gente, mais necessidades logísticas) e o dinheiro, sabucumé, já anda curto por conta da crise…

Anúncios

2 comentários sobre “Ainda a Rio+20

  1. É, Ivson. Me admirei mto de O Globo não ter mandado cobrir a conferencia de prefeitos. Só deu uma visita mixicuruca do Bloomberg a uma favela do Leme. Ab.

    • Não se admire tanto, Sônia. Pelo que me contam, lá campeiam a incompetência, bem temperada pela preguiça.

Os comentários estão desativados.