Os cariocas e a Rio+20

Estava no Centro, ontem, na hora da passeata da Cúpula dos Povos (claro, né, trabalho e moro na região…). Ao olhar a galera e, principalmente, os cariocas que, como eu, estavam encarando o batente, pensei naquela frase de José Murilo de Carvalho a respeito da reação do homem comum diante da proclamação da República: “O povo assistia a tudo, bestificado”.

Ontem, o popular povo não assistia exatamente bestificado – estava mais para irritado. Dois comentários, dentre os cinco ou seis que ouvi na hora do almoço, definem o estado de espírito dos cariocas diante da manifestação:

“Libera essa erva aí!” (Controlador de trânsito, na esquina da Visconde de Inhaúma com Rio Branco, ao ver passar membros do Greenpeace).

“Olha a gringalhada.” (Mulher para o companheiro, poucos metros à frente, diante da Livraria da Travessa, sobre outro grupo de manifestantes, quase todos louros e todos realmente com cara de gringo).

O mais gozado, porém, foi um sujeito que, durante a manifestação, gritou palavras de ordem contra oito temas (todos meritórios, diga-se de passagem, como racismo e homofobia) e não apoiou nenhum. Sei não, mas acho que, assim, ele não vai arrumar nada.