Farsa midiática

A senadora Kátia Abreu disse que os membros da CPI do Cachoeira estavam sendo feitos de palhaços por um chefe de quadrilha. É opinião de peso. Afinal, como líder da bancada ruralista, ex-prócer do DEM e atual líder do PSD, de quadrilha a senadora entende muito.

A par disso, não se pode discutir o direito de Carlinhos Cachoeira de ficar calado. Os congressistas sabiam que ele não falaria, exercendo um direito que lhe é concedido pela Constituição, que os parlamentares juraram defender – aliás, em toda Constituição de país civilizado garante esse direito. Ele até avisou, por meio de seus advogados, que ficaria mudo. Quando levaram o malandro para depor, o que os deputados e senadores queriam eram holofotes e os conseguiram, graciosamente cedidos pelos veículos de comunicação.