Cascata global: uma colaboração

Conselheiro envia uma cascata publicada pelo Globo na semana passada. Como ele mesmo admite, é meio fraca para entrar na disputa pelo King of the Kings-2012, mas, ainda assim, merece registro. E você, faça como o conselheiro – quando detectar uma cascata, não vacile: envie para mim.

Agora, à nova cascata global:


O Globo realmente vai mal, seja na seleção dos seus repórteres, seja na imposição aos seus leitores de versões que contrariam os fatos (se os fatos não confirmam a tese, que se mudem os fatos).

Veja o caso da manchete “Brasileiro gasta com saúde mais que o próprio governo”, primeira página da edição de 19/1 (mando link de clipping porque não achei no site do jornal).

A tese central da matéria é de que “o governo” não investe o suficiente na saúde e quem paga a conta é a população. Não deixa de ser verdade, mas os erros e forçadas são tantos que fica até difícil listar:

* Para começar, não é o “governo” (federal) que gasta pouco, são os “governos” (federal, estaduais e municipais) que gastam pouco. Fica óbvio que a opção pelo singular é para “sem querer” empurrar tudo na conta do governo federal. O Estadão, por exemplo, tomou o cuidado de se referir aos “governos” (matéria de Luciana Nunes Leal).

* De fato, as famílias gastam mais com saúde que “os governos”, mas isso não é novidade. Os dois estudos anteriores do IBGE sobre o tema já mostravam esse quadro.

* E por que dizer que os governos CONTINUAM gastando menos que as famílias seria ruim para a tese do Globo? Porque, apesar disso, o gasto dos governos com saúde, em relação ao PIB, têm na verdade CRESCIDO. Em 2008, corresponderam a 3,5% do PIB; em 2009 (ano de referência da atual pesquisa), corresponderam a 3,8%.

* Não só o gasto dos governos cresceu, no período analisado (2007-2009), como cresceu mais que os gastos das famílias…

Anúncios