Os meus votos no KofK-2011 e os seus porquês

Como organizador, presidente do  júri, assessor de imprensa e boy do King of the Kings-2011, vou abrir os meus votos e fornecer explicações para as escolhas:

Caramelo, o cãozinho fiel – Pelo classicismo da cascata. Foi daquelas de manual  – os coleguinhas inventaram uma história triste, com toda a cara de Estúdios Disney, e lascaram em cima do distinto público, que chorou lágrimas de esguicho até a cascata ser desmascarada. Deve ter tido coleguinha ficando apoplético de tanto rir das caras de otário dos leitores.

“Honoris causa” do Lula na França – O voto é uma homenagem a um tipo de cascata que vem ganhando destaque na imprensa:  o de calar sobre um assunto para que ele não se torne um vetor aglutinador de algo que os veículos não querem ver exposto. No caso, a concessão do título de doutor “honoris causa” ao Nove-Dedos pelo conceituadíssimo Instituto de Ciência Política de Paris (Sciences-Po) seria uma prova inconteste (como se ainda se precisasse de mais alguma) da importância política mundial do ex-metalúrgico que só aprendeu que não devia falar “menas” bem tarde na vida, e tudo o que ele representa. Obviamente, em tempos de internet, esse tipo de cascata é uma rematada asneira, mas o KofK não julga a eficácia da cascata, mas a sua “qualidade” intrínseca.

Campanha anticorrupção – Uma cascata em série que procurou criar, a partir de uma base virtual,  um clima de indignação sobre um assunto sério e que realmente nos leva a ficar indignados. Pareceu mais uma experiência, para ver  como funcionaria (ou não funcionaria, como aconteceu). Assim, creio que haverá outras campanhas do tipo, no futuro, mais bem realizadas, sem o ranço anos 1960 desta.

Caso Pimentel – Homenagem ao fato jornalístico do ano de 2011 – a transformação dos veículos de comunicação em oposição política de fato no país. Esse assalto a um pilar do regime democrático teve um sério revés no caso do ministro Fernando Pimentel, acusado, basicamente, de ganhar dinheiro dando palestras no interregno entre a saída do cargo de prefeito de BH e a posse como ministro. Como isso não é crime em lugar nenhum do mundo, a defenestração do ministro, buscada pelos coleguinhas, não rolou e a estratégia de derrubar ministros jogando-lhe em cima uma avalancha de matérias mostrou seus limites.

Globais x Belo Monte – Voto ganho por ter sido a primeira cascata originada e desmistificada exclusivamente nas mídias sociais. O seu surgimento, aliás, só ocorreu porque a mídia tradicional não faz o seu trabalho direito. Todos os argumentos dos atores globais e todos os contra-argumentos dos universitários, que demoliram os primeiros, estão há anos por aí e nunca foram feitas matérias sérias sobre o assunto, pondo-os lado a lado.

2 comentários sobre “Os meus votos no KofK-2011 e os seus porquês

  1. Honoris causa: ainda vou descobrir a lista completa de jornalistas que fizeram o pool anti-Lula na Europa.
    Anti-corrupção: cheguei a ver matérias na Jornal Hoje sobre uma única faixa que amanheceu fincada numa praia do Rio.

  2. Já votei! Para mim, mesmo não tendo partido das grandes corporações, os Globais versus Belo Monte foi o mico do ano… abração

Os comentários estão desativados.