Na “terrinha” como cá

Não sei se é motivo para felicidade, mas não é só no Brasil que os jornalistas econômicos são, em sua grande maioria, simples garotos de recado dos interesses corporativos privados. Em Portugal é igual, segundo o colunista Daniel Oliveira, do Expresso, em artigo que recomendo fortemente que você leia (aqui), com especial atenção aos quatro últimos parágrafos.

Antes de você começar, porém, uma explicação para contextualizar a leitura, passada pelo amigo Luiz Carlos Mansur, que mora em Portugal e me enviou o artigo:

“A Jerónimo Martins é um dos maiores retalhistas em Portugal, com uma grande cadeia de supermercados aqui e operações em outros países (Polónia, e vai expandir-se para a Colômbia). O ‘caso’ foi que eles acabaram de anunciar a transferência da sua holding para a Holanda. Houve uma gritaria por causa de uma suposta fuga aos impostos, mas a justificação oficial é que tendo a sede na Holanda conseguem empréstimos internacionais (coisa que na situação actual em Portugal seria muito difícil). Anyway, o problema é que o Soares dos Santos, patrão da JM, passou meses nas televisões a discorrer sobre os problemas do país diante de jornalistas embevecidos, e a bater no peito em nome do ‘patriotismo’, ‘ética’, etc., ao mesmo tempo em que criticava violentamente os políticos.”

Anúncios

Um comentário sobre “Na “terrinha” como cá

  1. Artigo l’ucido, esclarecedor e nos faz refletir um bocado. Bacana mesmo !

Os comentários estão desativados.