Todo cuidado é pouco

Para os padrões do Estado de São Paulo, Rolf Kuntz é até um cara sério – o Estadão, você sabe, tem, entre seus colunistas, gente como Sônia Racy e Suely Caldas -, mas hoje ele deu uma escorregada digna de suas fanaticamente antigovernistas colegas:

O Brasil continua diplomando uns 30 mil engenheiros por ano, enquanto a China forma entre 400 mil e 500 mil. A Índia, cerca de 200 mil. (…)”

Ok, precisamos mesmo formar muito mais engenheiros –  de preferência, de qualidade -, mas essa comparação numérica é cabulosíssima.  Os chinas são 1,3 bilhão, os indianos, 1,1 bilhão e nós, menos de 200 milhões. Ou seja, a população chinesa é cerca de seis vezes maior que a nossa. Assim, para estarmos formando, proporcionalmente, o mesmo número de engenheiros, teríamos que diplomar 180 mil e não entre 400 mil e 500 mil, como deixa entender o texto.  Desse modo, quem está mal mesmo é a Índia, também apresentada como bom exemplo por Kuntz. Afinal, com apenas uns 200 mil habitantes a menos, diploma 50% de engenheiros a menos do que os chineses.

Mais um exemplo do enorme cuidado que nós, pobres leitores, precisamos ter ao ler os jornais brasileiros. Se bobearmos, os coleguinhas nos engrupem na maior.

2 comentários sobre “Todo cuidado é pouco

    • Pô, Zé, muito legal teu blog! Se der, ainda hoje boto aí do lado. Quanto aos números, acordei com uma conta parecida na cabeça – engenheiros formados por mil habitantes. Ia fazê-la hoje à noite, mas o amigo quebrou meu galho.Valeu! 🙂

Os comentários estão desativados.