O Estadão, a ortografia e a Teoria dos Jogos

A coleguinha da sucursal do Estadão de Brasília está no caminho de revolucionar o português, aplicando ao vernáculo a Teoria dos Jogos. Veja a matéria abaixo, publicada na edição de ontem (30 de junho), página B8.

O brilhante raciocínio da coleguinha, certamente baseado na Teoria dos Jogos, foi o seguinte: “Não sei se uso caçar ou cassar. Se escolher o primeiro verbo, posso acertar em 100% das vezes, mas também posso errar em 100% das  vezes; se escolher o outro, a mesma coisa. Porém, se usar os dois ao longo do texto, tenho a garantia de estar certa em 50% dos casos”.

Genial, né? Claro que ela poderia ter perguntado ao colega do lado ou ido dar uma olhada no dicionário, vulgo “pai dos burros”. Mas aí onde ficariam o orgulho e a arrogância tão característicos dos jornalistas?