Era uma vez no twitter

Ao voltar do almoço, vi que havia três chamadas não atendidas no telefone da minha mesa. Fui ouvi-las. Eram de um mesmo celular, de Brasília, tinham sido feitas com menos de cinco minutos de diferença entre a primeira e a última, mas não havia recados. “Estranho” – pensei – “O cara deve estar desesperado”. Liguei.
Caiu na secretária, que tinha um recado também esquisito. “Aqui é Sicrano. Não deixe recado. Ligue para xxxx-xxxx”. “Eu, hein!…”, pensei, enquanto teclava o outro número. Dessa vez alguém atendeu.
– Oi, Sicrano! Aqui é o Ivson, da xxxxx. Em que posso te ajudar?- Tudo bom? Mas acho que você ligou pro Sicrano errado…- Mas eu liguei para xxxx-xxxx e lá tinha recado dizendo para eu chamar esse número.- Ah! Esse era o celular da (UMA AGÊNCIA INTERNACIONAL DE NOTÍCIAS). Agora, estou na (GRANDE REVISTA SEMANAL). Quem está com o celular agora é o Beltrano.
Beltrano é um repórter que saíra de uma agência de notícias brasileira e com quem já falara dezenas de vezes. Me despedi o Sicrano e liguei para Beltrano. Ninguém atendeu de novo. Aí desencanei e fui em frente.
Umas duas horas depois, lá pelas 16h, a colega que vigia o twitter mandou um email para a chefe e para mim. “O Beltrano está falando mal da gente no twitter”, avisou. Fui lá ver e fiquei estarrecido: “A assessoria da xxxxxx não quer me atender”, reclamava.
Fiquei muito pê. Por essas coincidências da vida, nesse momento ligou uma colega da sucursal do Rio da agência onde trabalha o Beltrano:
– Ô, fulana! O Beltrano pirou?- O que foi que ele fez?
Contei pra ela.
– Ué, mas estou falando com você desde manhã! – supreendeu-se.- Pois é… Mas o que você quer?
Atendi à colega, mas, ao terminar, ainda estava irritadíssimo. Aí resolvi combater fogo com fogo – respondi pelo twitter. Contei a história toda em quatro tweets – confesso que fui cruel e pus o celular do cara – e no último desabafei, lembrando que a nossa assessoria sempre dá retorno e ele, depois de tanto tempo lidando conosco, sabia disso.
Mais apaziguado, voltei ao trabalho.
Duas horas depois, toca o telefone e vi, pelo bina, que era ele.
– Ivson, comunicação da xxxxxx- Ivson, é o Beltrano.- Pô, cara, tu ficou maluco?- Pôxa, cara, desculpe. Eu estava nervoso. Liguei pra todos os telefones daí e ninguém atendeu.(PUDERA! ERA HORA DO ALMOÇO!). Aí escrevi aquele tweet. Não sabia que alguém poderia ler.- …- Olha, eu tirei de lá o post. Queria te pedir para tirar as suas repostas também…
Nem vacilei. “É, claro, sem problemas”, disse, mas acrescentei. “Pô, Beltrano. A gente sempre trabalhou sem problemas, o que deu em você?”. Ele repetiu os pedidos de desculpas e, como já estava satisfeito com a primeira rodada, aceitei, dei o caso por encerrado, ainda perguntei se ele ainda precisava de alguma coisa, ele disse que não e desligamos.
Uma hora depois, ele liga novamente. “Ivson,fiquei com aquilo na cabeça. Cara, peço mil desculpas. Não sei o que deu em mim”, disse. Me compadeci do colega – Sempre foi gente boa, sabia que não tinha feito por mal e disse a ele.
– Pôxa, cara, só espero que vocês não cortem relações comigo – disse, ele, humildemente.- Que é isso, Beltrano? Claro que não! Todo mundo erra de vez em quando.Faz parte da vida. Só toma cuidado com esse negócio de rede social. Por mim, esse assunto morreu, tá zerado. Vamos em frente.
Ele agradeceu muito e desligamos em paz.
Minha colega que monitora a internet e é boa à beça nisso, comentou assim que desliguei. “As pessoas estão surtando com o twitter. Elas estão vivendo a internet como um mundo à parte como se não fizesse parte da vida real”.
Assino embaixo, em cima e dos lados. É um perigo para qualquer um, mas ainda mais para quem é jornalista.
Como dizia o velho Ibrahim Sued, “olho vivo, que cavalo não desce escada”. Nunca entendi isso direito, mas sempre me pareceu um ótimo conselho a respeito da importância da prudência.

Anúncios

4 comentários sobre “Era uma vez no twitter

  1. É pra tuitar isso? 😉

  2. Pingback: Tweets that mention Era uma vez no twitter « Coleguinhas, uni-vos! -- Topsy.com

  3. É por isso que tenho a solução para todos esses problemas: não tenho twitter!
    Abraço meu caro (estou de volta das férias).

Os comentários estão desativados.