Investigações bem suspeitas

Essa história da quebra de sigilo da filha do Serra pelo Amaury Ribeiro Jr, a par de estar mal-contada à beça, não é surpresa para ninguém que tenha pelo menos passado dois meses numa redação de jornal ou revista ou seja assessor de imprensa com algum tempo de estrada.

A maior parte dos jornalistas investigativos brasileiros só o são porque possuem relações com policiais ou procuradores capazes de, com um ou dois cliques, levantar a ficha de qualquer um, bastando para isso ter o CPF do otário. Há repórteres, inclusive, que baseiam suas carreiras quase exclusivamente nessas fontes – a A.M., da sucursal da Folha de BSB, é uma desses. Simpatizo demais com ela, de verdade, mas tenho sérias dúvidas de que conseguisse fazer uma matéria decente sobre uma explosão de bueiro da Light.

Assim, nesse caso do Amaury só resta esperar acabar as eleições para que haja o lançamento o livro que ele promete desde, pelo menos, o início desse ano. Se a obra for para as livrarias antes do Natal, já sei o que vou pedir de amigo oculto. Afinal, pelo que falam, deve ser tão divertido quanto o do Palmério Dória sobre o Sarney.

2 comentários sobre “Investigações bem suspeitas

  1. Mal contada é a manchete da Folha de hoje: “PF liga quebra de sigilo fiscal de tucano à pré-campanha de Dilma” Por que não “Depoimento à PF liga quebra de sigilo fiscal de tucano a… tucano”?

  2. Ontem os sites dos 3 jornalões mantinham manchetes parecidas com essa, Chia. No fim do dia, pelo menos Folha e Globo tinham diminuído o destaque. Mas voltaram à ligação entre jornalista e pré-campanha do PT nas capas de hoje.

    Se for verdade o que está sendo divulgado, vamos combinar: o cara quebra o sigilo dos dados pra espionagem tucana, é demitido, só depois que é procurado pela equipe petista e a ligação é com a campanha petista? É muita desfaçatez. Muita, mesmo.

Os comentários estão desativados.