Pausa para a saudade

João Areosa me deu muita força no meu início de carreira, lá nos idos dos anos 80 do século passado, no Globo. O Armando Calvano gostava de implicar comigo, mas o Areosa, com aquele jeito de ursão, mantinha o outro grandão na linha, protegia o garoto e o punha sempre bem na foto para o Renato Maurício Prado. Fiquei muito, muito triste com a morte desse amigo com quem, infelizmente, não mantive mais contato. Vai na paz, mestre.