O lado bom da “batalha dos royalties”

Se não fosse essa briga pela grana do petróleo, os fluminenses provavelmente ficariam sem saber os bons projetos bancados pelos royalties recebidos por conta da exploração do “ouro negro” nas costas do Estado do Rio. É que os jornais do estado, em especial os da capital, informavam apenas as malfeitorias realizadas com a grana – tipo contratação de shows milionários, construção de ginásios imensos ou calçamento de orla litorânea com porcelanato. Mais um daqueles casos em que os coleguinhas exageraram no cínico ditado das redações – “notícia boa é notícia ruim” – e, no fim, prejudicaram a si próprios.